Robinho reestreia no Nacional depois de cinco anos

Atacante deixa descanso e defende o Santos contra o Fluminense, num de seus últimos jogos antes de voltar à Europa

Sanches Filho, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2010 | 00h00

De volta. Atacante, cansado, foi poupado com o clássico contra o rival Palmeiras

 

 

 

Depois de cinco anos, Robinho voltará a participar de um jogo do Campeonato Brasileiro, contra o Fluminense, hoje às 18h30, na Vila Belmiro. Ele está emprestado pelo Manchester City, da Inglaterra, e deve se despedir em 4 de agosto, após as finais da Copa do Brasil, contra o Vitória. Até lá, poderá ser escalado em outros três jogos - Atlético-PR, São Paulo e Grêmio Prudente. Seu último Brasileiro foi em 2005, antes de seguir para o Real Madrid por US$ 30 milhões.

Se o Santos não tivesse perdido o clássico contra o Palmeiras e não precisasse tanto da vitória no jogo de hoje, Robinho deveria ser poupado novamente. Quando o camisa 7 retornou da Copa do Mundo, Dorival Jr. lhe deu descanso de uma semana. E, na volta, o treinador alegou que ele precisava de um período de treinamentos especiais para se recondicionar física e tecnicamente. Agora, Robinho finalmente vai jogar para ser parte da solução de um time que perdeu a identidade de melhor do Brasil.

"Poucos perceberam, mas Robinho deixou de ser um simples atacante no Santos do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil. Ele voltou para organizar o jogo e ajudar no meio de campo, o que ajudou a atuar numa nova função na seleção", disse Dorival. "É dessa forma que ele se tornou um jogador mais completo e que cabe em qualquer grande clube daqui e da Europa."

Com Robinho ajudando a fechar o meio-campo, Dorival quer que o time inicie a marcação na frente. Foi assim que o Santos foi eleito o melhor time de 2010 até aqui, e que Espanha, Alemanha, Holanda e Argentina foram as melhores seleções da Copa, em sua análise.

O primeiro Brasileiro de Robinho foi o de 2002 e o último, o de 2005. Ao todo, disputou 110 jogos e marcou 47 gols. Em 2002, foram 10 gols (20 jogos). Em 2003, 32 jogos e 9 gols. No ano seguinte, fez 21 em 37 partidas e, em 2005, marcou 7 em 12 participações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.