Roddick vive pior fase de sua carreira e cai fora do top 20

Pela primeira vez nos últimos 11 anos, tenista não consegue nenhuma vitória na temporada americana de piso rápido

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2011 | 00h00

A temporada americana de quadras rápidas é normalmente a época em que Andy Roddick garante pontos para terminar a temporada entre os 10 melhores tenistas do mundo. Mas agora é diferente. Pela primeira vez nos últimos 11 anos, a uma semana do US Open, chega sem nenhuma vitória no espaço de dois meses que separa o Grand Slam americano de Wimbledon. Sairá do top 20, lugar que se habituou a frequentar desde 2001.

Afastado por causa de uma lesão muscular no abdômen do Torneio de Washington e do Masters de Montreal, o atleta de 28 anos (15.º do ranking) perdeu logo na estreia em Cincinnati. Uma dura realidade para quem já foi número 1 do mundo, conquistou o US Open (em 2003) e chegou à final de um Grand Slam em outras quatro ocasiões - perdeu todas para Roger Federer.

O baque foi tão grande que Roddick chegou a discutir com o juiz de cadeira do seu jogo contra Phillip Kohlschreiber e perdeu ponto por má conduta.

"Estou desapontado comigo. Tem sido um longo trabalho para não descer ladeira abaixo, mas está difícil", disse o tenista, que tem oito títulos e 15 finais na temporada americana de quadras rápidas na carreira.

O americano vai fazer uma tentativa de melhorar seu retrospecto antes do US Open no pequeno torneio de Winston Salem, na próxima semana. Mas já jogou a toalha sobre suas chances de surpreender no último Grand Slam da temporada.

"Não tenho a menor esperança. Preciso tentar recuperar a forma antes de pensar em conquistar grandes títulos."

A derrocada de Roddick toma corpo desde que ele teve uma mononucleose, antes da metade do ano passado. As aparições em finais rarearam e as lesões surgiram com mais frequência. O americano conquistou apenas um título no período, em fevereiro, em Memphis.

Coincidentemente, as vacas magras surgiram depois do seu casamento com Brooklyn Decker, capa da edição de biquíni da Sports Illustrated do ano passado. Roddick não leva isso em conta. Está feliz com o que já conquistou. "Já venci mais do que eu poderia imaginar no começo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.