AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Rodrigo: Baloubet merece ser perdoado

Mais uma medalha brasileira que esteve engasgada por quatro anos foi conquistada hoje por Rodrigo Pessoa, com "Baloubet du Ruet", no centro eqüestre de Markópoulo. O cavaleiro ficou com a prata do salto desta Olimpíada de Atenas, depois que o cavalo "Royal Kaliber", de seu adversário direto no desempate, o norte-americano Chris Kappler, falseou a mão no fim do percurso da noite. O ouro foi para o irlandês Cian O´Connor, com "Waterford Crystal". Rodrigo ficou um pouco chateado pelo adversário e a lesão de seu cavalo, mas também se mostrava muito feliz pelo resultado e pela oportunidade dada a "Baloubet", que aos 15 anos participou de sua última Olimpíada. "Espero que, com esta medalha, o povo brasileiro possa perdoá-lo um pouquinho por Sydney/2000." A conquista iria merecer muita comemoração hoje em uma boate na praia de Helliniko e Rodrigo deveria "emendar", já que sairia de Atenas às 7h30 da manhã para Kiev, na Ucrânia. Havia prometido a Aleksander Ornishchenko, patrocinador dos cavalos de Doda - o cavaleiro Álvaro Affonso de Miranda Neto - que iria competir em seu concurso, amanhã e domingo, com ou sem medalha. Mas com cavalos emprestados. "Baloubet" seguiria para descansar no manège dos Pessoa na Bélgica. Hoje, Rodrigo se mostrava desanimado, depois de zerar o segundo percurso da final em Atenas (foi um de dois cavaleiros a fazer pista limpa em um traçado muito forte, delicado e difícil). Isso porque havia feito oito pontos por faltas no primeiro, com dois derrubes. Estava muito difícil entrar na zona de medalha. A agonia foi total nesse segundo percurso. Com oito pontos para entrar na pista, havia 18 conjuntos. O brasileiro fez o primeiro milagre: zero pontos - enquanto os outros acumulavam obstáculos derrubados. Daí viriam os conjuntos que traziam seis, cinco e quatro pontos do primeiro percurso. Só Cian O´Connor - que seria o campeão - zerou. Os outros já ficavam para trás. Mas ainda havia "uma outra folha de papel com mais oito conjuntos!", como dizia a repórter Glória Maria, da Rede Globo. Realmente, foi uma agonia para aqueles que torciam contra todos os adversários, um a um, em favor de Rodrigo. Todos os outros com quatro pontos se desequilibram e somaram mais pontos que os oito de Rodrigo. Menos o norte-americano Kappler que teve um derrube e empatou com o brasileiro. O pior estava por vir: um conjunto com apenas um ponto (por execesso de tempo no primeiro percurso), mais dois com zero. Os três cometeram séries de faltas. O´Connor, com quatro pontos, já era campeão. Rodrigo e Kappler ficaram pelo desempate da prata. Rodrigo arriscou no tempo e teve um derrube no último obstáculo. O norte-americano vinha de pista limpa quando seu cavalo mancou. O brasileiro ficou com a prata. E foi o único -ninguém da equipe norte-americana se deu conta - a ir consolar Kappler, o medalha de bronze, que chorava muito enquanto seu cavalo saía de "ambulância" da pista, com uma lesão na pata. Rodrigo disse que competirá em Pequim/2008, antes de parar de montar em competição. O cavalo que está preparando para ser o sucessor de "Baloubet" chama-se "Hermés" e também é sela francês - tem oito anos.

Agencia Estado,

27 Agosto 2004 | 18h11

Mais conteúdo sobre:
olimpíada 2004 olimpíada

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.