Rodrigo e Baloubet, pelo tetra na Copa

Rodrigo Pessoa tenta o tetracampeonato da Copa do Mundo de Hipismo, em Las Vegas, Estados Unidos. E vai montar Baloubet du Rouet, formando com o cavalo o mesmo conjunto que saltou na Olimpíada de Atenas e herdou a medalha de ouro individual. Rodrigo e Baloubet são atração em Las Vegas. Além do ouro olímpico, o conjunto foi campeão das Copas de Helsinque (1998), Gotemburgo (1999) e Las Vegas (2000), mesma cidade onde se apresenta de amanhã a domingo. A Copa é um circuito indoor, em pista de areia e coberta, que começa em outubro e termina domingo. Os cavaleiros são classificados para a decisão, a partir das várias ligas regionais existentes no mundo. Rodrigo obteve sua vaga pela liga européia, a mais competitiva e na qual competem os dez primeiros do ranking mundial. Mas na decisão, a partir de amanhã, todos os cavaleiros entram na pista em igualdade de condições. A prova, que abre a final, será ao cronômetro e com obstáculos a até 1,55 m de altura. Sexta-feira, o percurso terá um desempate. O sábado é rervado para descanso. E no domingo o Grand Prix será disputado com obstáculos a até 1,60 m de altura, ainda mais altos. Nos três dias, as provas começam às 23h15 (horário de Brasília), com transmissão da ESPN Brasil. Apesar da experiência do conjunto - Baloubet é considerado um especialista em prova indoor - Rodrigo garante que fica tenso antes de uma decisão. "É impossível não sentir algo diferente em competições como Copa do Mundo, Mundial, Pan-Americano e Olimpíada. Nelas estão os melhores do mundo e diversos têm condições de vencer. É uma disputa muito acirrada, numa competição extremamente difícil. Precisamos estar muito concentrados para começar bem e buscar o título ao longo dos dias", resume Rodrigo. O cavaleiro tem excelente performance na Copa do Mundo. Além dos três títulos, nas última edições sempre esteve entre os primeiros, sempre com Baloubet. Em 2001 foi segundo colocado, em Gotemburgo. No ano seguinte, em Leipizig, ficou com a terceira posição e voltou a ser vice-campeão, em Las Vegas, em 2003. Também conheceu momentos difíceis. "Em final de Copa do Mundo é impossível fazer um prognóstico. Vários conjuntos podem sair daqui com o título. O que me anima muito é a forma em que o Baloubet se encontra e nossa experiência pode contar um pouco na hora decisiva. Como disse, precisamos estar concentrados e focar em cada percurso, o resultado vai surgindo naturalmente se tudo der certo", Comenta Rodrigo.

Agencia Estado,

20 Abril 2005 | 18h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.