Rodrigo Pessoa adota a cautela

Como deu positivo o exame antidoping do cavalo Waterford Crystal, que levou o irlandês Cian O?Connor à vitória na prova de saltos dos Jogos de Atenas, o brasileiro Rodrigo Pessoa pode herdar a medalha de ouro. Montando Baloubet du Rouet, ele levou a prata olímpica e espera agora o resultado da contraprova do rival, que definirá o caso. Rodrigo Pessoa, que está num concurso em Oslo, Noruega, prefere a cautela. "Fui informado pela FEI (Federação Eqüestre Internacional), mas vou esperar a posição que a Federação Irlandesa adotará. Vou acompanhar o processo, que ainda demora. Não sei a substância usada, mas antiinflamatórios ou tranquilizantes são trapaças, porque o cavalo estaria levando vantagem", disse o cavaleiro brasileiro. Mas Rodrigo defende uma revisão na lista de substâncias proibidas no hipismo, dizendo que deve haver diferença entre tratamento do cavalo e doping. "Não é permitido quase nada", revelou.A FEI informou que dos 200 animais que competiram em Atenas, 40 foram testados. Em quatro foram detectadas substâncias proibidas. Nos saltos, o cavalo Goldfever, montado pelo alemão Ludger Beerbaum na disputa da medalha de ouro por equipes, é outro entre os que tiveram resultado positivo. Os demais são Gingwood Cockatoo, da alemã Bettina Hoy, e Foxxy, do austríaco Harald Riedl, ambos do Concurso Completo de Equitação (CCE).As Federações da Alemanha e Irlanda devem solicitar a análise da contraprova em até dez dias. O novo exame será feito em até três semanas e os interessados ainda terão prazo para se defender.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.