Satiro Sodré/Divulgação CBDA - 16/8/2010
Satiro Sodré/Divulgação CBDA - 16/8/2010

Rodrigues e Fratus, o futuro da natação

Jovens nadadores, que têm talento para repetir nas piscinas o sucesso obtido por Cielo, Thiago e França, nadam amanhã

Valéria Zukeran, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2010 | 00h00

Cesar Cielo, Felipe França, Thiago Pereira. A torcida brasileira da natação já está acostumada com esses nomes, mas a partir deste ano começa a ter de se acostumar com alguns novos, como o de Henrique Rodrigues e Bruno Fratus, que lutarão para defender o Brasil não só no Mundial de Piscina Curta em Dubai, no fim do ano, como nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara o ano que vem e a Olimpíada de Londres, em 2012. Antes disso, porém, será possível ver os dois em ação no Torneio José Finkel, a partir de amanhã no Rio.

No último Pan-Pacífico, nos EUA, enquanto o Brasil se surpreendia com a medalha de prata de Cesar Cielo nos 50 m livre, quase passou despercebido que, por pouco, o País não teve mais um nadador no pódio. Fratus ficou em 4.º - também compete nos 100 m livre. "Não posso dizer que fiquei surpreso. Estaria mentindo se dissesse que treino para ser segundo ou terceiro, mas, depois que a adrenalina baixou, fiquei bem satisfeito", diz o nadador, de 21 anos.

Fratus deixou família novo. "Eu comecei a nadar no Rio Grande do Norte, (no colégio Marista, de Natal) e há quatro anos vim para São Paulo." A transferência, segundo ele, veio na base da coragem. "Fui cara de pau. Ganhei um campeonato brasileiro de categoria de base onde estava o Albertinho (Alberto Silva, técnico de Cesar Cielo até o ano passado). Me apresentei e perguntei se não teria uma chance de nadar no Pinheiros, sob orientação dele. Ele foi falar com meus pais e eu vim."

Se na piscina Henrique Rodrigues já chegou a derrotar Thiago Pereira nos 200 medley, fora dela, o seu talento, aos 19 anos, já chamou a atenção de treinadores do exterior. Por muito pouco não fez parte do grupo de Cesar Cielo, Nicholas Santos e Henrique Barbosa. A falha em um teste impediu o atleta de conseguir uma bolsa na Universidade de Auburn. Plano frustrado, o nadador decidiu trocar Belo Horizonte, onde morava, por São Paulo, e treinar no Pinheiros. "Pretendo ficar aqui até 2012. Depois, quem sabe, vou treinar no exterior."

Mudança não é segredo para o nadador, que começou a nadar aos 5 anos em Curitiba. Logo chamou a atenção dos técnicos do Minas Tênis. Assim como Fratus, Rodrigues tinha forte referência pois nadava com Thiago Pereira. "Temos uma rivalidade, mas fora dela somos amigos."

Fratus e Rodrigues estarão a partir de amanhã no Troféu José Finkel, que pode render vaga para o Mundial de Piscina Curta de Dubai. Fratus luta pelo índice que Rodrigues já conseguiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.