Roger rebate críticas à escalação do Grêmio: 'opinião pública não influencia'

O Grêmio venceu a terceira partida consecutiva neste domingo e manteve viva a perseguição à liderança do Campeonato Brasileiro. Após bater o Figueirense por 2 a 1, com um gol aos 47 minutos do segundo tempo, o técnico Roger Machado foi só elogios aos seus comandados e disse que mantém as suas convicções sem ser influenciado pela opinião pública.

Estadão Conteúdo

10 de julho de 2016 | 15h54

"Frisei para meus jogadores no final do jogo sobre a importância daqueles que vieram do banco. Eles estão constantemente se preparando para nos ajudar. Não é o apelo da opinião publica que vai me forçar a escalar alguém. Se tiver oportunidade e confiança em alguém, vou escalar. O resultado do jogo é do torcedor, mas o processo é nosso. (Pedro Rocha e Bobô) Foram dois jogadores que entraram e puderam nos ajudar, isso é importante", comentou o treinador, em entrevista coletiva após a partida.

Embora o Grêmio tenha abusado das jogadas aéreas no final da partida, o time tricolor chegou ao gol da vitória com Bobô da maneira que o técnico gosta: com marcação adiantada para roubar a posse, troca de passes e bola nos pés.

"Eu monto o meu time de uma forma para que qualquer jogador atue na frente. Eu não vou montar um time que cruze 40 bolas por jogo para que um único jogador consiga chegar ao ponto mais alto e cabecear. Quero criar condições para que o jogador finalize com o pé. Eu quero que cruze, mas não de qualquer jeito", acrescentou.

Na sequência do Brasileirão, o Grêmio terá uma semana para treinar e volta a entrar em campo no próximo domingo diante do Sport, no estádio da Ilha do Retiro, no Recife, às 18h30.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.