Rogge põe em dúvida o sucesso da Olimpíada

Um misto de franqueza e diplomacia marcou nesta sexta-feira o pronunciamento do presidente do COI, Jacques Rogge, na reunião conjunta do Comitê Executivo da entidade e da Associação de Comitês Olímpicos Nacionais, em Atenas. Mas o recado foi claro: a cinco meses e meio dos Jogos, resta muito a ser feito e não há como garantir que tudo estará pronto a tempo ou que a Olimpíada de Atenas será um sucesso.O tom do discurso desta sexta-feira, sob medida para ressaltar o clima de urgência que deve cercar a fase final dos preparativos, contrastou com o otimismo de algumas declarações mais recentes de Rogge. "Nossos especialistas dizem que se o ritmo for mantido será possível terminar tudo a tempo.""Estamos preocupados, pois existem muitos desafios a superar. Mas não chegamos até aqui para nos deixar abater", afirmou a presidente do Comitê Organizador dos Jogos de Atenas, Gianna Angelopoulos-Daskalaki, referindo-se ao atraso na conclusão de alguns projetos - entre eles a cobertura de aço e vidro do Estádio Olímpico, a cobertura da piscina olímpica, partes do sistema de transporte e o percurso da maratona. "Vamos ter de nos esforçar ao máximo."Para Gerhard Heiberg, membro do Comitê Executivo do COI e responsável pela organização da bem-sucedida Olimpíada de Inverno de Lillehammer, na Noruega, em 1994, Atenas não tem um segundo a perder. "Só nos resta rezar e esperar que tudo dê certo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.