Romário chorou ao ser desligado  da Copa do Mundo em 1998

Dias antes do Mundial, atacante foi cortado por lesão na panturrilha  

Pedro Hallack , O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2014 | 02h05

Outras Copas também tiveram importantes desfalques por lesão. Em 2010, na África do Sul, os ingleses David Beckham, Michael Owen e Rio Ferdinand se machucaram antes do torneio. Beckham, então no Milan, rompeu o tendão de aquiles em março. Owen, que teve uma carreira marcada por lesões, vinha de uma boa temporada pelo Manchester United e contundiu a coxa em fevereiro. Já o zagueiro Ferdinand foi cortado após machucar o joelho na preparação para a Copa.

O meia alemão Michael Ballack, que seria capitão da equipe, sofreu uma lesão a menos de um mês do Mundial. O jogador contundiu o joelho após receber entrada dura de Kevin-Prince Boateng, na final da Copa da Inglaterra. Quem também ficou fora foi o volante Michael Essien. O ganês não conseguiu se recuperar de uma lesão no joelho, sofrida em janeiro. Em um caso mais trágico, o paraguaio Salvador Cabanãs ficou fora da Copa após levar um tiro na cabeça e escapar por pouco de morrer.

Em 2006, o zagueiro brasileiro Edmílson, titular no pentacampeonato de 2002, sofreu uma lesão no joelho e foi cortado nove dias antes do início da competição. No mesmo ano, o atacante francês Djibril Cissé foi cortado após ter fraturado a perna no último amistoso do pré-Copa, contra a seleção da China.

Na Copa do Penta, em 2002, o volante brasileiro Emerson, titular absoluto e capitão antes da competição, deslocou o ombro ao se chocar com a trave em um treinamento recreativo para a Copa. O jogador brincava de goleiro no momento da contusão. O goleiro espanhol Santiago Cañizares, que também seria titular, teve uma lesão ainda mais bizarra: durante a concentração da Espanha, derrubou um vidro de perfume no próprio pé. Os cortes causados pelo acidente o deixaram fora do Mundial. O francês Robert Pirès não disputou a Copa de 2002 por uma lesão no joelho.

Em 1998, o centroavante Romário, herói na conquista do tetra em 1994 e uma das principais esperanças da seleção brasileira naquele torneio, foi outro a sentir o sabor amargo de não poder disputar uma Copa do Mundo. O baixinho foi cortado por uma lesão muscular, enquanto a seleção já treinava, na França. O episódio fez com que Zagallo e Zico, técnico e auxiliar, respectivamente, se transformassem em seus desafetos. Ambos foram retratados de maneira irônica em portas dos banheiros da boate Café do Gol, pertencente ao baixinho.

O ano de 1994 registrou as ausências do meia holandês Marco van Basten e do zagueiro brasileiro Ricardo Gomes. Enquanto o holandês não conseguiu se recuperar de uma lesão no tornozelo, o brasileiro se machucou já nos Estados Unidos, sede da Copa, em amistoso contra El Salvador.

Tudo o que sabemos sobre:
Romárioseleção brasileira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.