Ronaldinho é colocado em xeque na terra natal

Ronaldinho Gaúcho não atravessa boa fase. Seu abatimento na saída do estádio, após o empate com o Equador, atesta isso. Embora um jogo pela seleção em sua terra natal possa ajudá-lo a recuperar a autoestima e, principalmente, o bom futebol, nem o técnico Dunga tem certeza de sua escalação. Uma má atuação no Beira-Rio, amanhã, contra o Peru, também poderia desgastar ainda mais sua imagem, já que o ex-gremista não é unanimidade nem na cidade em que nasceu.Os torcedores do Internacional lembram com antipatia de suas atuações pelo arquirrival, especialmente uma, na final do Campeonato Gaúcho de 1999, em que deixou o então volante colorado Dunga desconcertado com seus dribles. Há possibilidade de vaias. "Nem penso nisso. Já joguei algumas vezes no Beira-Rio desde que saí do Grêmio e não tive problemas", diz o meia. Mas os gremistas também não morrem de amores por Ronaldinho. Não o perdoam pela forma como saiu do Olímpico em 2001. Foi para o Paris Saint-Germain sem dar retorno financeiro ao clube, depois de dizer que ficaria.A própria crônica esportiva local não tem mais esperanças. "Ele perdeu a capacidade de dar aquela arrancada para obter a vitória pessoal contra os marcadores", opina Ruy Carlos Ostermann, comentarista do SporTV e colunista do jornal Zero Hora. "Não sei se é porque não tem mais motivação ou se simplesmente já não pode mais."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.