Marcio Fernandes/AE
Marcio Fernandes/AE

Ronaldo e Zico pedem transparência

Craques dizem que é preciso ficar claro o papel do governo e da CBF na organização do evento e cobram lisura

, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2011 | 00h00

Integrante do comitê paulista para a Copa de 2014, o ex-atacante Ronaldo pediu ontem transparência na organização da Copa de 2014, no Brasil. Em um evento no Museu do Futebol, no Pacaembu, ao lado de Zico, para o lançamento de uma rede social que pretende integrar jogadores de futebol, empresários, fãs e jovens interessados em iniciar no esporte, o craque disse não saber ainda o papel do governo brasileiro no evento.

"Todos nós temos de questionar o dinheiro público, não deveria ser trabalho dos políticos. Ainda não está claro para o público qual é o papel do governo, da Fifa, da CBF. Eu mesmo não sei ainda o papel do governo em tudo isso. Ainda restam muitas dúvidas no ar. Vejo que a maioria dos estádios é privado. Então, tudo tem de ser esclarecido para o público, e tem de ser o quanto antes", disse Ronaldo.

Zico, agora técnico do Iraque, acompanhou o discurso de Ronaldo, e pediu mais união entre todas as partes envolvidas na organização do mundial. "Nós talvez ainda não tenhamos passado para a população brasileira o que representa uma Copa do Mundo. A população precisa das informações. Temos de trazer o público para junto da organização, para todos se sensibilizarem e saberem o que é receber a Copa, a importância que tem. Não está havendo uma união nesse sentido. É o nome do País que está em jogo, e se não fizermos uma grande Copa, será uma decepção."

Ambos também falaram sobre a atual geração de jogadores brasileiros e apostaram na conquista do título em 2014, apesar do momento de transição que o futebol nacional vive. "Temos uma geração de jovens de muito futuro, mas não podemos jogar a responsabilidade de conquistar um mundial nas costas deles. Jovens de talento nós temos, como Lucas, Neymar, Casemiro, jogadores de qualidade real. O Brasil vai estar sempre revelando. Precisamos de alguns jogadores de maior experiência para dar o suporte aos jovens", disse o craque. "Ganhando ou perdendo aqui, o futebol brasileiro não vai morrer, todos os grandes ganharam em seus domínios, mas o Brasil vai sempre ser grande, mesmo se não vencer", completou.

Para Ronaldo, o "Brasil tem um futuro espetacular, porque continua revelando grandes jogadores, grandes talentos, mas precisa cada vez mais de investimentos nas categorias de base".

Ao contrário de outros craques experientes, Ronaldo preferiu não dizer se o melhor para Neymar é deixar o País agora ou um pouco no futuro. "É uma decisão só dele. Ele tem maturidade para definir seu futuro, escolher o time onde vai jogar. Ele já fez até filho, não vai saber definir seu futuro?"

Zico também falou sobre o equilíbrio no Campeonato Brasileiro, e pediu que os clubes tenham comportamento ético até o fim. "É uma competição equilibrada, vamos ter emoção até o fim. A gente só não quer que, na reta final, a rivalidade prevaleça sobre a ética do futebol. Não tem cabimento um torcedor com a camisa do clube querendo ver o time perder para prejudicar o outro. Não pode ficar dúvida sobre o resultado final."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.