''Ronaldo precisa voltar a ser Ronaldo''

Mano Menezes diz ser fundamental a evolução do craque em campo para que o Corinthians [br]sonhe alto na competição

Bruno Lousada, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2010 | 00h00

Ronaldo não atravessa grande fase, mas é indispensável para o Corinthians sonhar alto na Taça Libertadores. Ninguém torce mais pela evolução do Fenômeno do que o técnico Mano Menezes. O atacante, em forma, é sinônimo de grandes conquistas. Ninguém duvida disso. Muito menos o treinador da equipe do Parque São Jorge.

"É fundamental para as nossas pretensões na Libertadores que o Ronaldo volte a ser mais Ronaldo. Falei isso para ele. Nesse momento, é preciso que ele se sinta importante. A equipe está bem, segura, mas é necessário um algo a mais", declarou Mano, na véspera do clássico com o Flamengo.

O Fenômeno esbanjou bom humor durante o treino de ontem, em General Severiano, sede do Botafogo. Brincou com os companheiros, sorriu várias vezes e chegou a ensaiar uma dancinha com o lateral-esquerdo Roberto Carlos. Foi um dos últimos a sair de campo.

Treinou pênaltis à exaustão e passou no teste de popularidade: teve seu nome entoado por um grupo de torcedores, a maioria botafoguense, assim que o acesso para as arquibancadas foi permitido, quase no fim da atividade.

"O Ronaldo está melhor, mais fininho. O fato de ele sorrir me dá a possibilidade de sorrir também", comentou o treinador. Nascido em Bento Ribeiro, na zona norte do Rio, o craque tem um tabu a quebrar: o de nunca ter feito gol no Maracanã como profissional numa partida oficial. Será hoje?

"É um objetivo. Ele não vai ter muitas oportunidades para marcar no Maracanã. Seria uma frustração para todos. Espero que ele cumpra isso", afirmou Mano.

No Corinthians, o título da Libertadores é mais do que um presente no ano do seu centenário. É uma obsessão que, muitas vezes, se transforma em pressão e tensão. O lema é um só: vencer ou vencer. Essa é a oitava vez que o clube disputa a competição continental e nunca levou o troféu.

Dono da melhor campanha da fase de grupos da Taça Libertadores, com cinco vitórias e um empate, o Corinthians não quer olhar para trás. Sabe que, no futebol, só a conquista traz reconhecimento e idolatria. Na visão dos jogadores, o melhor ainda está por vir.

"A série de seis vitórias (sem contar a derrota do time B no amistoso para o Botafogo, no domingo) aponta que estamos bem. Mas não podemos ficar esperando que só o Ronaldo decida", avisou Mano.

O Corinthians encara um Flamengo em crise, que tenta se recompor depois de tanta turbulência - o técnico Andrade e dois dirigentes foram demitidos na última sexta-feira por falta de comando. Mas, assim como o time paulista, o Rubro-Negro já cansou de reagir quando menos se espera dele. Por isso, nada de estimular o rival com provocações. "Não vamos ter a ilusão de encontrar um adversário frágil. Isso é conversa fiada", destacou Mano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.