Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Ronaldo se escala para pré-Libertadores

Astro diz que não fará preparação especial e já atuará pelo Corinthians em janeiro, contra um adversário colombiano: 'Esse confronto é uma final para nós'

Sílvio Barsetti, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2010 | 00h00

Desinibido e com a língua afiada, Ronaldo aproveitou entrevista coletiva, ontem, no Rio, para fazer críticas ao calendário do futebol brasileiro e à fórmula de disputa do Campeonato Paulista. Ele também encerrou as dúvidas sobre seus projetos para 2011 e prometeu empenho para levar o Corinthians ao título da Libertadores. Disse que se dedicará ao máximo no ano que vem, como se estivesse no começo da carreira, e adiantou que não vai querer privilégios na temporada.

"Vou me apresentar junto com o grupo todo, (no dia 3), não tem essa de descansar mais. Será meu último ano como atleta e quero conquistas para retribuir o carinho dos corintianos e do torcedor brasileiro", declarou Ronaldo, diante de mais de uma centena de jornalistas. "É claro que vou jogar as duas partidas da fase preliminar da Libertadores. Para o Corinthians, esses dois jogos vão ser como as finais da competição", prosseguiu, referindo-se aos confrontos dos dias 26 de janeiro e 2 de fevereiro, contra um time colombiano.

Ronaldo foi a grande atração do segundo e último dia do Footecon, fórum internacional de futebol realizado no Rio, coordenado por Carlos Alberto Parreira, e fez praticamente um discurso contra o calendário do futebol do País. Pediu uma revisão do Paulista, com a adoção de uma fase eliminatória entre clubes do interior antes do início do torneio, o que determinaria a redução do número de clubes. "O Paulista com 20 clubes é desnecessário e exagerado. A gente tem 19 rodadas e mais seis para quem quiser chegar ao título. É quase o mesmo número de jogos do Brasileiro." Antes, ele reclamou da má distribuição de jogos para as grandes equipes ao longo do ano no Brasil. Defendeu o sistema de pontos corridos do Nacional e ainda a realização de apenas uma partida por semana. "O clubes europeus dão 40 dias de férias para os atletas. Aqui temos somente 28. E, quando começamos a pré-temporada, já somos obrigados a jogar em dez dias."

Militância. No momento em que registrava seus protestos, Ronaldo surpreendeu ao anunciar que pretende se engajar na luta pelos direitos dos atletas a partir de 2012. "Na Itália, Espanha, Argentina, os jogadores param os campeonatos em nome de suas reivindicações", disse. "Alguém tem de fazer alguma coisa, ninguém protege os jogadores. Aceitaria esse desafio, mas seria para ter poder." O astro revelou que está criando uma agência com a finalidade de ajudar o atleta a planejar o futuro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.