Ronaldo se explica e pede perdão por gesto obsceno

Ronaldo se explica e pede perdão por gesto obsceno

Em nota, craque diz que mostrou o dedo médio após ter sido ofendido [br]moralmente, e se desculpa com corintianos

Ana Paula Garrido e Bruno Deiro, O Estadao de S.Paulo

26 de março de 2010 | 00h00

Tudo não passou de uma troca pessoal de ofensas. Foi essa explicação de Ronaldo e de outros integrantes do Corinthians para o gesto obsceno que o Fenômeno dirigiu ao grupo de cerca de 20 torcedores que protestou anteontem, em Barueri, após a derrota para o Paulista.

Em nota divulgada ontem, ele garante que a reação de mostrar o dedo do meio no estacionamento do estádio foi provocada por ofensas morais de um torcedor específico. "Jamais faria tal gesto para a torcida do Corinthians que me adotou e me apoia desde a minha chegada. Foi dirigido a uma pessoa que me ofendeu moralmente e com questões pessoais", afirmou o jogador.

O insulto verbal do torcedor foi em relação à mulher de Ronaldo, Bia Anthony, segundo o vice-presidente de marketing, Luís Paulo Rosenberg, que não quis reproduzir a expressão. "Qualquer um reagiria assim se xingassem sua mulher. Ele é um padre de chuteira, por acaso?", defendeu Rosenberg, que não teme abalos sobre a imagem do garoto-propaganda do time.

Capitão alvinegro, William repreendeu a ação do companheiro. "Nada justifica o que ele fez. Ele sabe disso. Quando você sai de campo nervoso, por não ter produzido o que queria, e recebe uma ofensa, é difícil conter."

Desculpas à torcida. Na nota, Ronaldo lamenta o mal-entendido e trata de reforçar o vínculo com a nação corintiana. "Quero pedir desculpas, caso algum corintiano tenha se sentido ofendido e reiterar meu carinho e admiração pela torcida que me tratou tão bem desde a chegada aqui", disse o craque.

Paciência no fim. O camisa 9 não tem sido poupado de críticas pelas más atuações em campo, especialmente pela Libertadores. Na partida de quarta-feira, ele mais uma vez decepcionou. O motivo, segundo o companheiro William, está na ansiedade do próprio jogador. "Sempre se espera muito dele, pela capacidade que ele tem de produzir. Mas a maior cobrança não é de fora, mas dele com ele mesmo", observou.

O Fenômeno, por sua vez, voltou a assumir a culpa pela derrota em Barueri. "Entendo as críticas do torcedor nesta hora e aceito todas elas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.