Ronaldo terá pela frente a zaga do Flu e a provocação da torcida

Em jogo decisivo no Maracanã, atacante corintiano vai ouvir coros de mau gosto por parte dos torcedores rivais

Bruno Lousada e Sílvio Barsetti, RIO, O Estadao de S.Paulo

20 de maio de 2009 | 00h00

No reencontro com o Maracanã, depois de 11 anos, Ronaldo será visto como um visitante indesejado. Com direito a muitas vaias assim que pisar no gramado e sem qualquer homenagem. Para classificar o Corinthians para as semifinais da Copa do Brasil - um empate basta -, o atacante terá hoje, às 21h50, dois desafios pela frente: superar a marcação cerrada da defesa e da torcida do Fluminense. Não se sabe ainda qual será a mais difícil. Acesse e acompanhe online a partida do Corinthians, a partir das 21h50Para desestabilizar o Fenômeno, vale até apelar para o lado pessoal. A torcida tricolor vai cantar músicas que são paródias da marchinha de carnaval "Me dá um dinheiro aí", de Ivan Ferreira, para atingir o craque. Citando sempre o episódio em que ele se envolveu com três travestis num motel da Barra da Tijuca, no ano passado. "Ei, você aí, o Fred é seleção, e Ronaldo é travesti" ou "Ei, você aí, avisa para a (Gaviões da) Fiel que o Ronaldo é travesti" são os cânticos preferidos e publicáveis. Outros, no entanto, também de gosto duvidoso, vão constar do repertório dos torcedores do Flu, conforme promessa feita ontem por chefes de facções da organizada em sites de relacionamento na internet. Ronaldo já teve no domingo uma prévia do que enfrentará no Maracanã. No Engenhão, ele foi hostilizado toda vez que tocou na bola contra o Botafogo e, coincidência ou não, passou em branco. "A ideia é atormentá-lo. Pegar no pé dele mesmo", disse o estudante André Frade, de 16 anos, integrante de uma torcida organizada. A princípio, faixas ofensivas contra o craque não serão estendidas nas arquibancadas do Maracanã. Não por consideração a Ronaldo, mas por superstição. "Contra a LDU, na final da Libertadores, penduramos uma faixa com os dizeres Rumo a Tóquio e não deu certo", explicou André.ATRÁS DO 1º GOLApesar da carreira gloriosa, Ronaldo não tem uma relação muito íntima com o Maracanã, onde só disputou dois jogos como profissional e fracassou. No Campeonato Brasileiro de 1993, vestindo a camisa do Cruzeiro, perdeu para o Flamengo por 2 a 1. Cinco anos mais tarde, a seleção brasileira, com ele no ataque, foi derrotada em um amistoso pela Argentina por 1 a 0. O Fenômeno ainda não fez gol no palco da final da Copa do Mundo de 1950. Chegou a hora?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.