Rota Austral:pingüins e lobos marinhos

11/02 ? Despedida de Puerto DeseadoDomingão em Puerto Deseado, hora de partir. Céu azul, vento a favor e os novos amigos da cidade para a despedida. Muita emoção na hora de partir. Ficamos sem palavras para agradecer o tratamento que nos foi dado no dia anterior, Mariano e Rosset (ex chefes do Santiago) nos levaram de lancha para conhecer as colônias de pingüins, lobos marinhos e aves que ficam bem próximos à cidade. Foi um passeio lindo onde pudemos ver esses animais em seu habitat natural com calma e bem de perto.Depois da despedida, subimos nos barcos para mais uma etapa. Na saída da baia passamos próximos a uma ponta onde várias pessoas nos observavam e acenavam.Navegamos 30 milhas com um vento forte de terra, estávamos voando baixo e o mar liso nos permitia tirar o máximo do barco. No meio da tarde fomos obrigados a parar em uma praia protegida ao lado do Cabo Blanco. Soprava 50 nós e depois do Cabo Blanco velejaríamos contra o vento, o jeito seria esperar. Por outro lado, a passagem pelo Cabo dependia da corrente a favor, pois ali é como um rio que flui a 18 km/h. Decidimos esperar, passar o resto do dia ali e acordar às 5 hs. da manhã para pegar a maré subindo com ventos mais fracos.O Cabo Blanco é um lugar visitado pelas pessoas que vivem em Puerto Deseado passa-se o dia inteiro aqui. Encontramos um grupo de amigos do Santiago que veio de quadriciclos e motos passar o fim de semana, e acabamos fazendo um churrasco de peixe-rei juntos.O final da tarde foi um show de luz e paisagem, as cores da Patagônia apareceram com toda a força. Às 21 horas estávamos dormindo pois teríamos um dia longo.12/02 ? Gui, Betão, Felipe e Santiago tentam empurrar os Hobie Cats montanha russa acimaÀs 6:15 da manhã estávamos velejando com o sol nascendo, com corrente a favor e mesmo sob estas condições encontramos um mundaréu de ondas e rodamoinhos, porém o vento não soprou muito, tivemos um dia com baixo rendimento e com muito cansaço. Tivemos excesso de luz e muito calor!! Chegamos a uma praia após muito esforço, remamos muito porque quase não havia vento. Para o nosso desespero fomos obrigados a voltar para o mar porque não conseguíamos vencer sua inclinação da praia. Empurrávamos um barco em três pessoas, enquanto o quarto segurava o outro Hobie Cat. Foi um caos e decidimos voltar para o mar preparados para passar a noite velejando pois só teríamos mais uma hora de luz. Já quase no escuro Betão conseguiu descobrir uma praia salvadora e felizes da vida fizemos nosso camping.13/02 ? Expedição Rota Austral volta a sentir o calor nos países tropicaisMais um dia de pouco vento, na verdade começou bem, tínhamos a impressão de que chegaríamos a Comodoro Rivadávia, mas ao longo do dia o vento não vingou e acabamos chegando a Caleta Olivia. No mar soprava um bafo quente vindo de terra e com isso sabíamos que definitivamente o frio forte estava terminando. Há alguns dias já vínhamos diminuindo o número de peças de roupas mas agora estávamos chegando no ?verão?. Dizem que Comodoro é 3 a 4°C mais quente que Puerto Deseado que é 3 a 4°C mais quente que San Julián, parece que é isso mesmo. Tomara.Chegamos a uma praia repleta de gente, bikinis, sungas, lanchas puxando esquis, sol forte e calor, quem diria, de volta à civilização.Porém a água continua fria, continuamos com os dry suits por mais tempo. Como sempre a recepção foi maravilhosa com uma parrilla (churrasco) à noite.15/02 ? Netos, bisnetos, tataranetos dos tripulantes da Expedição Rota Austral ouvirão falar do amor que ficou pra históriaPara vocês internautas que estão nos acompanhando através dos boletins já estão imaginando que agora a viagem virou uma festa, mas nesta parte da costa Argentina Felipe e Santiago são muito populares e ontem em Caleta Olivia não escapamos de outro assado e também da extrema atenção e carinho com que fomos recebidos.Hoje o dia foi muito curto por causa das excelentes condições, na verdade foi um dia de records. Navegamos 40 milhas (70 km) em 2 hs. e 50 minutos e chegamos tão rápido em Comodoro Rivadavia que pegamos desprevenidos todos os amigos de Felipe que estavam preparando uma recepção na chegada.Novamente o dia foi emocionante com uma das velejadas mais rápida da viagem, vendo os Hobie Cats voarem literalmente e riscando o mar e depois sentados na varanda do Clube Náutico não consiguimos crer como essas máquinas impulsionadas pelo vento de aspecto tão frágil podem ir tão longe e algumas vezes com tanta velocidade.Felipe recebeu todas os honrarias de um grande velejador no iate clube e à noite fomos homenageados com um jantar para 40 pessoas. Foi lindo, foi inesquecível e são essas coisas que nunca nos esqueceremos na vida. Seguramente não me lembro de todas as praias em que paramos para dormir, mas não me esqueci de ninguém que nos recebeu com um amor incondicional, aliás a mais bela forma de amar.16/02 ? Gratidão eterna a Marcelo de Paula e Boas Vindas a Sandro SarchiDia de trabalho. Velas para costurar, leme para reparar, mastro, parafusos e cupilhas para revisar. Tudo pronto para mais uma etapa. Nosso objetivo é chegar em três dias na Península Valdés, santuário marinho, local onde existem acasalamentos de baleias e também onde existem muitas loberías.Agora o clima começa a mudar rapidamente e a esquentar bastante. Por um lado é um alivío, por outro o calor e o sol também causam problemas como insolação, queimaduras e desidratação.Essa experiência já tivemos quando navegamos de Miami a Ilhabela durante 10 meses por uma região equatorial.Enquanto isso em terra uma mudança na equipe, Marcelo de Paula retorna para o Rio onde cuidara da parte da edição dos vídeos e imprensa e em seu lugar a cidade de Puerto Deseado nos deu uma de suas figuras carimbadas Sandro ?Picota? Sarchi. Durante a festa em Deseado conhecemos Sandro que logo se ofereceu para substituir Marcelo quando soube da sua partida. Em Deseado muitos ficaram ?bravos? com a Expedição Rota Austral por este ?seqüestro?, nosso novo companheiro é um tipo que mantém toda a cidade alegre e é pau para toda obra, vai fazer falta para a cidade. Novamente obrigado Deseado !Sentiremos a falta de Marcelo, além de fotógrafo ele nos trouxe muitas risadas, sua presença foi importante e sua colaboração como fotógrafo está sendo e será apreciada no livro, no vídeo e nas exposições de foto. Gracias Marcelo!!!!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.