Rubens faz último corte pré-Mundial

Os norte-americanos acreditam que o Brasil tenha sido favorecido pelo sorteio dos grupos neste Mundial, ao qual comparece com uma equipe renovada, até na marra, por desfalques de última hora. E também lamentam a ausência do pivô Nenê, agora do Denver Nuggets da NBA, a quem já gostariam de acompanhar (o pivô sofreu uma lesão na virilha durante clínica no Havaí). O técnico Hélio Rubens, que na noite desta terça comanda jogo-treino contra a Nova Zelândia, define nesta quarta o único corte do grupo ? observaria o pivô Rafael Araújo, o Baby, de 22 anos e 2,10 m, que está afastado do Brasil há duas temporadas, jogando pelo Arizona Western College, nos Estados Unidos. O treinador teve de desistir do teste de Luís Fernando, outro brasileiro do basquete universitário daquele país, que recebeu proposta para a liga chinesa justamente neste período do Mundial. Nenê, contam os repórteres da NBA, verá o Mundial de seu apartamento alugado em Denver sob ?estrita vigilância? dos médicos da equipe. A meta de Hélio Rubens começa com a liderança do grupo com Líbano, adversário de estréia, Turquia e Porto Rico. Três times se classificam. ?Jogaremos cada partida como uma final?, disse Hélio, já em Indianápolis. ?Para evitar o quarto posto e o confronto com os Estados Unidos na segunda fase?. O Brasil participou de quadrangular em Istambul, onde foi terceiro colocado atrás de Iugoslávia (campeã) e Canadá, à frente da Turquia. Na base estão Demétrius e Marcelinho, com os irmãos Varejão (Sandro e Anderson), além de Helinho, filho de Hélio Rubens. Oscar VIP - David Robinson e Larry Bird ? ambos do Hall da Fama ?, mais o brasileiro Oscar Schmidt são os convidados de honra para a abertura do 14º Mundial de Basquete em Indianápolis, no Pan American Plaza, nesta quinta. Os Estados Unidos terão pela primeira vez a oportunidade de sediar um Mundial de Basquete. Brasil e Estados Unidos são os únicos dois países que participaram de todas as 14 edições. Oscar, além cinco Olimpíadas, jogou no memorável Pan de Indianápolis/87, quando o Brasil tirou o ouro dos Estados Unidos.

Agencia Estado,

27 Agosto 2002 | 20h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.