Rússia aprova pacote para confiscar recursos de atletas que se doparam

Ministério do Esporte da Rússia, que é acusado de encobrir casos de doping, não definiu como medida será realizada

Estadão Conteúdo

10 de julho de 2017 | 13h02

A Rússia quer "atacar" os bolsos daqueles envolvidos com casos de doping. Em uma tentativa de restaurar a reputação esportiva do país após vários escândalos por uso de substâncias proibidas, o governo aprovou um plano para recuperar o valor de premiações e de subsídios a atletas que trapacearam.

Em um pacote de medidas antidoping assinadas nesta segunda-feira, o primeiro-ministro Dmitry Medvedev ordenou o Ministério do Esporte da Rússia e as federações nacionais esportivas a desenvolver um esquema de "confisco de renda e propriedade de atletas, treinadores, médicos e outros especialistas" envolvidos em casos de doping.

Não foi especificado como isso será realizado. Anteriormente, o próprio Ministério do Esporte da Rússia enfrentou acusações da Agência Mundial Antidoping de que sua própria equipe encobria o uso de substâncias proibidas.

Além da premiação em dinheiro de competições, os atletas russos muitas vezes recebem recompensas do estado, e muitos as mantiveram mesmo sendo punidos por doping. Medalhistas de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio, por exemplo, receberam 4 milhões de rublos (aproximadamente R$ 230 mil) e um SUV, um veículo utilitário esportivo, BMW branco em uma cerimônia no Kremlin. Governos regionais também distribuíram apartamentos, carros e, em um caso, até um cavalo.

Os organizadores de muitos eventos esportivos internacionais exigem que os atletas devolvam suas premiações em dinheiro se posteriormente forem desqualificados por casso de doping. Contudo, aplicar estas regras é difícil. Além disso, a ameaça de novas sanções esportivas não tem sentido para um atleta que se aposentou ou foi banido por toda vida.

O pacote de medidas assinado nesta segunda-feira também inclui planos para impedir que envolvidos em doping assumam empregos como treinadores ou cargos esportivos no Estado.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiadoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.