Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alexander Zemlianichenko/AP
Alexander Zemlianichenko/AP

Rússia demite chefe da agência antidoping e causa preocupação na Wada

Saída da dirigente provoca temor de falta de transparência no combate ao uso de substâncias ilícitas no esporte do país

Redação, Estadão Conteúdo

28 de agosto de 2020 | 13h34

O chefe-executivo da Agência Antidoping da Rússia, Yuri Ganus, foi demitido nesta sexta-feira, em um movimento que a Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) disse estar "extremamente preocupado".

Ganus foi retirado do cargo depois que o conselho supervisor de sua agência recomendou que o Comitê Olímpico Russo e o Comitê Paraolímpico Russo considerassem a sua remoção devido a alegadas irregularidades financeiras.

A demissão de Ganus ocorreu cerca de dois meses antes de a agência ir à Corte Arbitral do Esporte para contestar uma decisão da Wada de suspendê-la por quatro anos e impor uma lista de outras sanções ao esporte russo e suas participações em campeonatos mundiais e Jogos Olímpicos. As audiências estão marcadas para o período de 2 a 5 de novembro.

O presidente do Comitê Olímpico Russo, Stanislav Pozdnyakov, disse em entrevista coletiva que a decisão foi tomada "unanimemente". Mikhail Bukhanov, advogado da agência antidoping russa, foi nomeado como chefe interino do órgão.

Desde sua nomeação em 2017, Ganus tem sido um crítico frequente das autoridade esportivas russas e seu histórico de ações antidoping. Durante seu mandato, a agência auxiliou algumas investigações de alto perfil sobre atletas russos e dirigentes.

Ganus comentou sobre sua demissão em comentários à agência de notícias Interfax. "Na minha opinião, esta é uma decisão errada, então deixe-os apreciar seus erros. Eles queriam tomar (esta decisão) e a tomaram. Em termos dos objetivos gerais, é um erro."

A Wada afirmou que a demissão de Ganus e a saída de outros funcionários nesta semana "reforçam as preocupações" expressas recentemente. A organização disse ser fundamental que os profissionais antidoping "permaneçam protegidos de interferências em suas decisões operacionais e atividades."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.