Rússia desiste de competições de marcha atlética após casos de doping

A Federação Russa de Atletismo anunciou nesta quinta-feira que retirou a sua equipe de marcha atlética de todas as competições na sequência de uma série de acusações de doping. Mais de 25 marchadores russos foram punidos por doping nos últimos anos, com pelo menos 20 deles sendo treinados por Viktor Chegin, que está sob investigação pela Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) e pela Agência Antidoping da Rússia.

Estadão Conteúdo

16 de julho de 2015 | 13h10

Desde o início do ano passado, quatro marchadores campeões olímpicos foram suspensos por doping. A federação russa disse em um comunicado que retirou os seus marchadores de competições com a intenção de "evitar danos para a imagem do atletismo da Rússia e do esporte russo como um todo".

A equipe não vai competir até a Agência Antidoping da Rússia terminar sua investigação sobre Chegin, anunciou a federação nesta quarta-feira. É "99%" provável que isso signifique que não haverá marchadores russos no Mundial de Atletismo, em agosto, em Pequim, disse o presidente interino da Federação Russa de Atletismo, Vadim Zelichenok.

A única chance deles competirem será se o inquérito for concluído muito rapidamente, completou. "No momento, há a suspeita de que esta disciplina poderia nos trazer vergonha no Mundial", disse Zelichenok.

A Rússia venceu dois dos três eventos da marcha no Mundial de Atletismo de 2013. Uma dessas medalhistas foi conquistada por Elena Lashmanova, suspensa por doping um ano depois, mas que manteve a medalha de ouro do Mundial e o ouro olímpico conquistado em 2012.

Em janeiro, mais três marchadores campeões olímpicos foram suspensos, provocando a queda do presidente da Federação de Atletismo da Russa e do treinador principal da seleção.

A federação também disse nesta quinta-feira que seus atletas foram instruídos a não trabalharem com Chegin ou podem ser punidos. A agência antidoping russa disse nesta quarta-feira que o treinador é suspeito de possuir substâncias proibidas e fornecer ou tentar fornecê-las para atletas.

Tanto a Agência Mundial Antidoping como a IAAF estão investigando o atletismo russo como um todo depois de um documentário da TV alemã, exibido em dezembro, mostrar a existência de uma esquema de doping generalizado no esporte do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.