Lyle Stattford/Reuters
Lyle Stattford/Reuters

Rússia e Wada estudam uma nova data para visita a laboratório em Moscou

Agência Antidoping da Rússia foi destituída após identificação de evidências de doping no atletismo patrocinado pelo próprio governo

Redação, Estadão Conteúdo

29 de dezembro de 2018 | 13h30

Pavel Kolobkov, ministro do Esporte da Rússia, disse neste sábado que estuda uma nova data para que especialistas da Agência Mundial Antidoping (Wada, sigla em inglês) visitem o laboratório russo, em Moscou.

A Agência Antidoping da Rússia (Rusada, em inglês) foi destituída em 2015 após relatório feito pela Wada identificar evidências de doping patrocinado pelo Estado no atletismo do país. Mas a agência foi reintegrada recentemente, em setembro.

Porém, se as autoridades não entregarem dados do laboratório até segunda-feira, a Rusada voltará a perder seu status, elevando a perspectiva de a Rússia receber punições que afete diretamente a sua participação nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2010, além de permanecer excluída do atletismo internacional.

Uma equipe da Wada retornou de Moscou de mãos vazias no último dia 22, após ser "impossibilitada de completar sua missão" porque a Rússia exibiu inesperadamente um "certificado" que dependia de leis locais para que os dados do laboratório pudessem ser acessados.

A Rússia foi impedida de competir nos Jogos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul, deste ano pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), após investigação apontar a existência de um esquema de encobrimento de doping patrocinado pelo Estado na Olimpíada de 2014, realizada na cidade russa de Sochi. Alguns atletas russos sem casos de doping foram convidados a competir como neutros.

Moscou negou qualquer envolvimento em doping patrocinado pelo Estado, mas reconheceu alguns problemas na aplicação dos regulamentos antidoping. O chefe da Rusada, Yuri Ganus, pediu ao presidente Vladimir Putin para garantir que os dados dos laboratórios sejam entregues aos membros da Wada.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.