Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Rússia proíbe consumo de álcool para realização de exames antidoping

Bebida podia ser usada após competições para ajudar atletas desidratados a produzir uma amostra de urina

Redação, Estadão Conteúdo

01 de março de 2019 | 10h42

Os atletas russos não poderão mais consumir cerveja para a realização de exames antidoping. Tendo como justificativa a interferência nos resultados dos testes e competidores que ficam "agressivos", a Rússia proibiu os esportistas de consumir bebidas alcoólicas quando realizam exames para detecção de consumo de substâncias proibidas.

Uma cerveja após competições pode ajudar um atleta desidratado a produzir uma amostra de urina, mas agora eles terão que se ater a "grandes quantidades de água" fornecidas pelos testadores, disse a vice-presidente da Agência Antidoping da Rússia, Margarita

Pakhnotskaya.

Ela afirmou à agência de notícias The Associated Press que beber era um problema particular com esportistas do atletismo. "Não é muito bom para o comportamento dos atletas no controle de doping, para seguir as regras. Eles poderiam se tornar rudes, um pouco agressivos".

A agência russa também apontou que o consumo da cerveja poderia interferir nos resultados do programa de "passaporte biológico", que verifica sinais do uso de substâncias proibidas pelos atletas.

"Cerveja influencia muito. Isso pode causar ou ocultar algumas mudanças", disse Pakhnotskaya, acrescentando que não há provas de que atletas tentaram deliberadamente manipular os testes antidoping.

Mais conteúdo sobre:
dopingatletismocervejaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.