Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Phil Noble / Reuters
Phil Noble / Reuters

Russo é suspenso por seis anos por tentativa de enganar as autoridades antidoping

Danil Lysenko conquistou a prata no Campeonato Mundial de 2018 e o ouro Mundial Indoor um ano depois

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2021 | 12h31

O saltador russo Danil Lysenko foi suspenso por seis anos, nesta segunda-feira, por uma elaborada tentativa de enganar as autoridades antidoping, em um caso que flagrou dirigentes de atletismo russos conspirando para quebrar as regras. A Corte Arbitral do Esporte (CAS; sigla em inglês) constatou que ele adulterou o processo antidoping e não informou aos órgãos antidoping de seu paradeiro.

Dois anos da sanção foram suspensos porque Lysenko acabou admitindo ter tentado enganar a Unidade de Integridade do Atletismo (IAU, na sigla em inglês) e cooperou com as investigações sobre outras personalidades russas. Lysenko conquistou a prata no Campeonato Mundial de 2018 e o ouro Mundial Indoor um ano depois.

Decisões anteriores constataram que "a maioria, senão toda a alta administração" da federação russa, conspirou para encobrir o caso de Lysenko. Cinco oficiais, incluindo o então presidente da federação, foram banidos pela conspiração. Envolveu a criação de documentos de uma clínica falsa para dar a Lysenko uma desculpa médica por não estar disponível para exames e alegar falsamente que um acidente de carro o dispensou de outro caso.

A Rússia já foi suspensa do atletismo internacional por doping, mas o caso Lysenko a levou à beira da expulsão do órgão regulador do atletismo mundial quando as acusações foram apresentadas no final de 2019.

A Rússia continua suspensa depois que o caso Lysenko causou um longo congelamento nas negociações de reintegração. As negociações foram retomadas depois que a Rússia pagou uma multa de US$ 5 milhões (cerca de R$ 2,5 milhões) pelo caso Lysenko e cerca de US$ 1,3 milhão em outros custos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.