JOÃO NETO/VIPCOMM
JOÃO NETO/VIPCOMM

S. Paulo vê pressão por um futebol mais alegre

Carpegiani muda de novo e pede 'raça ao elenco'. Torcida espera, contra a Lusa, que time enfim faça um bom jogo no ano

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2011 | 00h00

O São Paulo ainda não se acertou em 2011. E está na hora de acordar. O técnico Paulo Cesar Carpegiani já pediu mais gana aos jogadores e hoje, contra a Portuguesa no Canindé, às 17 horas, diz que a vitória é obrigação.

O treinador vai usar a 8.ª formação diferente no ano. E, para ele, tudo está normal: "A base do time é a mesma", afirma. O elenco, porém, está confuso com as "invenções" de Carpegiani. Miranda foi o último a reclamar e levou bronca do chefe.

A principal crítica feita pelo defensor é justamente ao seu setor. Segundo ele, a zaga está fragilizada - foram 10 gols levados nos últimos cinco jogos. Carpegiani não nega os problemas do time e espera melhorar apenas durante a semana, com a volta dos jogadores que estão no Peru com a seleção brasileira sub-20. "Estamos encontrando dificuldades pela direita, o Lucas nos faz muito falta", conta.

O treinador não está totalmente satisfeito com a atuação do time. Em sete jogos, foram quatro vitórias e três derrotas. Na última rodada, perdeu para o Botafogo por 2 a 1, em Ribeirão Preto. "O time todo tem de ter pegada boa, ser mais competitivo", pede. "O cerco (marcação) tem de começar lá no goleiro adversário e estamos encontrando dificuldades", explica. "A Portuguesa tem bons jogadores e é um time de tradição, mas temos a obrigação de ganhar. Não temos conseguido regularidade."

Nos últimos treinos Carpegiani mudou a equipe novamente. Confirmou Rivaldo como titular, mas fez um alerta: "Talvez eu o poupe no jogo seguinte, contra o Bragantino."

O meia ficou fora dos primeiros trabalhos na semana, mas voltou bem e, de acordo com o treinador, também atuará na quarta-feira contra o Treze, na Paraíba, pela Copa do Brasil - jogo, aliás, que deve contar com a presença de Lucas. "Marquei uma conversa com eles (os garotos da sub-20) para segunda-feira para saber como eles estão."

A principal atração do torcedor hoje estará no setor defensivo. Rhodolfo, ex-Atlético-PR, estreia no esquema com três defensores. Detalhe: Carpegiani não é adepto dessa formação. "Mas, se eu achar necessário, usarei sem constrangimento", comenta. "O que eu mesmo gosto é de time seguro e firme."

Empolgado. Rhodolfo está ansioso para estrear. Ele, aliás, não esperava que já fosse jogar. "Foi tudo muito rápido", conta o zagueiro, que fechou contrato por cindo anos e vem treinando há uma semana com os novos companheiros. "Eu já trabalhei com o Carpegiani no Atlético-PR. Venho com muita vontade e vou dar meu sangue por essa camisa", exagerou.

O São Paulo não perde no Canindé desde 2001, quando no Estadual foi derrotado por 1 a 0. Nas outras quatro partidas disputadas no estádio desde aquela ocasião, foram quatro vitórias. A última, em 2009, por 2 a 0.

Tudo o que sabemos sobre:
são Paulo FCfutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.