Sabino concilia vida de soldado-pai-atleta

O policial militar Mário Sabino, instrutor de defesa pessoal no Comando de Policiamento do Interior 4, em Bauru, e pai de família, terá de obter o apoio de seus comandantes e da mulher para defender o Brasil na Olimpíada de Atenas, em agosto. Aos 31 anos, ele ficou com a vaga no peso meio-pesado, no confronto contra Luciano Corrêa, após vencer por 2 a 1 a série melhor-de-três da Seletiva Olímpica do Judô. Agora, terá de participar de um processo intenso de treinamentos, que já começou - essa semana a seleção treina no Projeto Futuro, no Ibirapuera, contra atletas da Holanda, Argentina, Estados Unidos, Chile, México e Guiana.Sabino, que adotou Stephanie, de 4 anos, e Gyedre, de 1, é pai biológico de Mário Sabino Neto, de 3 meses, e ainda sempre tem por perto a sobrinha Rúbia, de 6 anos. Por isso mesmo, ele terá de conciliar as funções de soldado-pai-atleta nos próximos 127 dias, com prioridade aos treinos do judô para chegar bem a Atenas."Minha rotina não é fácil. Das 7 às 15 horas estou no quartel, às 16 horas nos treinos e à noite ainda preciso de energia para brincar com as crianças. Mas sou grande (100 quilos e 1,89), posso me dividir em três, 30 quilos para cada um", contou Sabino.Além de Sabino, já têm vaga olímpica confirmada Danielle Zangrando (leve), Henrique Guimarães (meio-leve), Flávio Canto (meio-médio), Vânia Ishii (meio-médio), Carlos Honorato (médio), Edinanci Silva (meio-pesado) e Daniel Hernandes (pesado).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.