Salto com vara: russa bate novo recorde

A russa Yelena Isinbayeva bateu nestesábado em Madri seu 15º recorde mundial de salto com vara, aoregistrar 4,95 metros durante o Super Grand Prix de Madri, daFederação Internacional de Atletismo (IAAF), que estásendo realizado no estádio Vallehermoso. Isinbayeva havia saltado 4,93 metros no último dia 5 em Lausanne(Suíça) e neste sábado, contra seu costume de ir elevando recordes porapenas um centímetro, superou em dois centímetros. A atleta russa teve um início de sábado ruim. Fixoua altura de 4,65 metros para o salto e derrubou a barra duas vezes.Na terceira tentativa, no entanto, experimentou um grande alívio aoatingir a marca que lhe bastava para garantir a primeiracolocação no geral. Mas ela tinha vindo a Madri por um novo recorde mundial, e demonstrando uma segurança inabalável alcançouseu objetivo. Ela chegou a derrubar a barra uma vez após tersolicitado a altura de 4,95 metros. Aos 22 anos, a russa tem uma trajetória impressionante na temporada 2005. Conquistou os meetings de Donetsk (Ucrânia), Birmingham (ReinoUnido) e Lievin (França), quebrou quatro recordes mundiais em pistacoberta (4,87 metros a 4,90 metros) e mais dois ao ar livre (4,93metros e 4,95 metros). Sua próxima meta poderia ser a superação da marca do ucranianoSergey Bubka, que bateu 35 recordes ao longo da carreira. Nas outras provas do dia, a mexicana Ana Guevara perdeu os 400metros por apenas um centésimo diante da americana Monique Hennegan.Guevara parecia ter a prova sob controle ao chegar na reta final,mas não resistiu ao sprint de Monique Hennagan, que parou ocronômetro em 50s58. Félix Sánchez, bicampeão mundial e campeão olímpico dos 400metros com barreiras, terminou a prova em quinto e último lugar, deforma surpreendente, a quase dois segundos do vencedor, ovice-campeão americano Bershawn Jackson, que fez o tempo de 47s92. O dominicano ?Superfélix?, como é conhecido, se recupera de umalesão. Foi a primeira derrota em competições do latino após 41vitórias consecutivas, embora nos Jogos de Atenas tenha abandonadopor motivo da lesão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.