Santo André aposta em fama de azarão para bater o Santos

Time recorda título sobre o Flamengo, pela Copa do Brasil, e sonha com uma surpresa diante[br]dos meninos da Vila

Ana Paula Garrido, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2010 | 00h00

Para tentar superar a sensação da temporada, o Santo André se baseia em dois pilares. Além de repetir a superação de equipes rebaixadas -o time caiu ano passado para série A2 do Brasileiro-, o clube também conta com histórico de azarão em finais. O Santo André venceu por 2 a 0 o Flamengo, em pleno Maracanã, ganhando o título da Copa do Brasil de 2004. "Chegar à final já é uma grande vitória. Agora, vamos fazer nossa parte e por que não sonhar com título?", questionou o vice-presidente do clube, Romualdo Magro Junior.

Mesmo reconhecendo a superioridade do Santos, a equipe do ABC garante ofensividade para tentar faturar o prêmio de R$ 2 milhões, dado ao campeão paulista. O valor paga quase quatro meses da folha salarial da equipe, de cerca de R$600 mil.

Hoje, o elenco comandado por Sérgio Soares chega à Barueri, onde ficará concentrado até sexta-feira, assim como fez antes da segunda partida da semifinal. De acordo com o supervisor de futebol, Juraci Catarino, a preparação do time será a mesma da semana anterior, com a vantagem de os jogadores estarem mais motivados, por se tratar de uma decisão. Outro ponto positivo está na pressão sobre os meninos da Vila. "O Santos é o favorito, a responsabilidade é deles. Temos tranquilidade maior para jogar e surpreender", explicou.

Ofensividade. Ficar na retranca contra o Santos está fora dos planos do Santo André. De acordo com Romualdo, o time manterá a característica de atacar. "Quem gosta de bom futebol terá uma final com muita emoção. Os dois times jogam para frente, não conseguem ficar na retranca", comentou.

Após cumprir suspensão contra o Grêmio Prudente, Rodriguinho, artilheiro da equipe com 14 gols, é a grande aposta contra o time da Vila, onde, por sinal, começou a jogar, ainda na categoria de base.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.