Santos acorda e vence de virada

Foram apenas 7 minutos de bom futebol, suficientes para bater o Mirassol, por 2 a 1, na Vila

Martín Fernandez, O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2008 | 00h00

O Santos continua a sonhar com uma vaga nas semifinais do Campeonato Paulista. Ontem à noite, o time jogou bem apenas durante sete minutos, mas foi o suficiente para vencer o Mirassol por 2 a 1, de virada. A vitória na Vila Belmiro deixa os santistas com 20 pontos, a 5 da zona de classificação.O time de Emerson Leão estreou o terceiro uniforme, todo azul, mas voltou a mostrar os problemas apresentados na vitória por 3 a 2 sobre o Noroeste, no domingo: desorganização, buracos na zaga e falhas incríveis nas finalizações, que ontem quase complicam o destino do time no campeonato.A volta de Kléber não foi suficiente para inspirar o Santos no primeiro tempo. O time criou boas chances, mas elas surgiram mais por acaso do que por jogadas trabalhadas. A exceção era Molina, que deve ter feito Leão desistir de escalar Kléber no meio-campo. O colombiano apareceu logo aos 6 minutos, com grande lançamento para Kléber Pereira, que demorou para finalizar e foi desarmado. Dois minutos depois, Molina quase marcou ao aproveitar falha do goleiro, mas Luciano Sorriso salvou em cima da linha.Quando o ''gringo'' não aparecia, o Santos sofria. O Mirassol quase abriu o placar aos 22, quando Bruno Aguiar acertou bela cobrança de falta de fora da área e obrigou Fábio Costa a fazer defesa espetacular. Xuxa também assustou, mas sem querer: ao tentar um cruzamento, ninguém tocou na bola, que quase acabou na rede do Santos.No primeiro tempo ainda houve tempo para o chileno Sebastián ''El Tanque'' Pinto perder um dos gols mais feitos da história da Vila Belmiro. Após o lançamento de Molina, o zagueiro Luciano Sorriso e o goleiro Alexandre Fávaro bateram cabeça e a bola sobrou para o chileno. Livre e com o gol escancarado à sua frente, o camisa 7 conseguiu chutar para fora.As chances perdidas foram cobradas pelos que agüentaram a pressão na defesa. ''Tivemos muitas chances, mas faltou finalizar'', reclamou Betão. ''O jogo está ruim porque o campo está pesado'', justificou Adoniram. ''As oportunidades surgiram, não podemos desperdiçaram.'' Fábio Costa completou: ''Tem de fazer gol.''Apesar da segunda etapa sonolenta, o time cumpriu o que o capitão pediu no intervalo. Mas só depois de ter tomado um gol do Mirassol. Aos 36 minutos, Fabinho Capixaba escapou pela direita e cruzou na segunda trave para Léo Mineiro, que venceu Fábio Costa com uma bela cabeçada. A festa do interior durou dois minutos: Marcinho Guerreiro, em belo chute de fora da área, marcou o quarto gol da carreira - e o segundo pelo Santos. Mais três minutos e Renatinho foi derrubado por Jéferson. Kléber Pereira marcou e manteve o Santos vivo no Paulista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.