Santos agora vai encarar o América

Equipe vence Táchira por 3 a 1, no Pacaembu, com a presença de mais de 36 mil torcedores, e nas oitavas de final joga a primeira na Vila e depois no México

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2011 | 00h00

O Santos renasceu na Taça Libertadores na vitória contra o Cerro Porteño (2 a 1) na semana passada. Ontem, tratou de aproveitar o maciço apoio da torcida no Pacaembu, mais de 36 mil pessoas, e a fragilidade do adversário para bater o Deportivo Táchira por 3 a 1, confirmar classificação e, principalmente, deixar claro: torna-se, enfim, como era esperado desde o início, uma das principais forças da competição. Joga agora contra o América, do México, nas oitavas de final.

Por pouco o Santos não ficou em situação mais confortável. Acabou como segundo colocado do Grupo 5, mas estava na liderança até o Cerro Porteño virar partida contra o Colo Colo em Santiago a dois minutos do fim. Os chilenos perderam por 3 a 2 em casa após terem aberto 2 a 0 e ficaram fora da competição.

O torcedor santista entendeu o momento da equipe treinada por Muricy Ramalho. Era preciso apoiar um time que mostra crescimento nos últimos jogos. Lotou o Pacaembu e, mesmo fora de casa, colocou o maior público do Santos na competição continental: mais de 36 mil pagantes. Casamento definitivamente reerguido entre clube e torcida.

Com todo este clima, a obrigação da equipe era ir para cima do Deportivo Táchira. E foi isso que fez desde os primeiros segundos de jogo. Logo aos 30 segundos, Danilo teve chance claríssima. Aos 4 minutos, enfim, o sinal que a torcida precisava para começar a comemorar: Neymar recebeu dentro da área e só teve o trabalho de deslocar o goleiro.

Com a porteira aberta, o Santos tentou dar espetáculo. Neymar cansou de fazer jogadas plásticas. Um calcanhar ali, um drible malandro acolá e até uma tentativa de bicicleta sem sucesso. A torcida delirou. Só que talvez tenha faltado mais gols. O caminho estava aberto para uma goleada, mas ela não ocorreu.

Jonathan marcou o segundo gol, num belo chute aos 13 minutos e sacramentou sua recuperação como aquele lateral-direito com quem os santistas sonhavam desde sua chegada à Vila Belmiro. Mas teve até susto. Chacón acertou uma belíssima cobrança de falta aos 24 minutos do segundo tempo e calou o Pacaembu por instantes.

Mas o Santos tem Neymar e quando ele quer jogar ninguém segura. Minutos depois o atacante fez belíssima jogada, Zé Eduardo errou o gol, mas a bola sobrou para Danilo, que marcou. Alívio.

Neymar exagera nas quedas. Talvez a principal preocupação de Muricy Ramalho para as oitavas de final seja Neymar. O atacante mostrou ontem que ainda não assimilou o estilo de arbitragem da Taça Libertadores. Abusou das encenações e tentou cavar dois pênaltis. Não convenceu o juiz Néstor Pitana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.