Santos aposta no contragolpe para sair do sufoco

Equipe não esconde que saídas rápidas ao ataque serão a arma para tentar surpreender o Vasco, em São Januário

SANCHES FILHO / SANTOS , ESPECIAL PARA O ESTADO , O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2012 | 03h03

O Santos acredita na consistência do seu bloco defensivo para neutralizar a força ofensiva do vice-líder Vasco e tentar a segunda vitória no Brasileiro, às 18h30, em São Januário, explorando o contra-ataque. A única mudança no time será Bruno Rodrigo no lugar de Edu Dracena, que sofreu ruptura do ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo e será operado hoje cedo.

"Nada de empate. Vamos jogar para ganhar", decretou Muricy Ramalho. Com time pronto do meio para trás e sem opções para o ataque, o técnico nem deu o treino tático da véspera de jogo, ontem, com receio de perder mais jogadores por contusão.

Apesar do fraco desempenho e de não tem feito gols nos dois últimos jogos, Dimas e Miralles formarão a dupla de ataque.

Muricy não dá importância à pressão de fora para dentro para escalar Victor Andrade. No jogo contra o Botafogo, quarta-feira, o garoto voltou a demonstrar personalidade e criou um dos melhores lances de gol do time, embora só tivesse entrado nos 10 minutos finais. Para o treinador, a nova promessa ainda não está pronta para começar como titular um jogo importante.

"Precisamos ter calma. Victor Andrade tem que ir entrando aos poucos, faltando 10 minutos, para ir melhorando e se acostumando", justificou Muricy.

Até Pelé cutucou o treinador. O Rei lembrou que sempre que enfrentou dificuldades, como no momento, o Santos se socorreu de jogadores da base.

Muricy afirma que seria errado jogar sobre um menino de 16 anos a responsabilidade substituir jogadores prontos e de seleção. "Já vi forçarem a barra com muitos jogadores como Victor e o resultado é que eles ficaram pelo caminho. O menino vai jogar na hora que estiver pronto."

Patito na área. O meia-atacante Patrício Julián Rodríguez, de 22 anos, teve 50% dos direitos econômicos comprados do Independiente por investidores por R$ 4 milhões ontem. "Queríamos contratá-lo há algum tempo, mas não foi possível porque o valor era altíssimo", revelou Muricy.

O Vasco pode ter os desfalques de Fagner e Diego Souza. Eles negociam com clubes estrangeiros e o técnico Cristóvão Borges diz que, se "estiverem sem cabeça'', ficarão de fora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.