Santos consegue perder de virada para o lanterna

Depois de abrir 2 a 0, time permite ao Grêmio Prudente fazer três gols. Neymar volta a errar pênalti e decepciona

, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2010 | 00h00

SANTOS

Estava tudo programado para ser uma festa, ontem à noite, na Vila Belmiro. A vitória manteria o Santos no seleto bloco dos candidatos ao título do Campeonato Brasileiro. Além disso, também se estava festejando o 70º aniversário de Pelé, o maior jogador de futebol de todos os tempos e que proporcionou ao clube as suas maiores conquistas no século 20. Mas se esqueceram de avisar ao adversário, o Grêmio Prudente. Deu tudo errado. O lanterninha, que perdia no primeiro tempo por 2 a 0, virou o jogo e venceu por 3 a 2. O Santos estaciona nos 48 pontos, enquanto o Prudente passa a somar 24.

No primeiro tempo, ninguém acreditaria numa reviravolta dessas. Tanto que os gols foram saindo naturalmente. Keirrison, de cabeça, abriu a contagem aos 19 minutos, completando cruzamento de Danilo, e o zagueiro Durval ampliou aos 35, recebendo passe de Zé Eduardo. O Prudente, até então, só tinha dado alguns chutes de fora da área.

No intervalo, o meia Alan Patrick, que vestiu a camisa 10, a que Pelé consagrou, bem que alertou o time. Mas muita a gente não levou a sério a advertência. " O Prudente tem um contra-ataque rápido e pode ser perigoso se não tomarmos cuidado."

E não é que o lanterna resolveu materializar a advertência do santista? Mal o segundo tempo começou e o time visitante iniciou a reação. Léo errou a saída de bola, Wesley recebeu o passe, driblou um adversário e bateu para a rede. O Santos voltou a falhar. Desta vez foi Danilo, que perdeu a bola; ela chegou a Rhayner, que entrara no segundo tempo; ele sofreu falta na área de Edu Dracena; Gilmar bateu o pênalti e converteu: 2 a 2. E o silêncio tomou conta da Vila quando, em um contra-ataque, Wesley fez o gol da virada, aos 16.

A partir daí o desespero tomou conta dos santistas. A situação melhorou em seguida com a expulsão do prudentino Leonardo. Minutos depois, o juiz expulsou outro jogador do Prudente, Flávio Boaventura. E o que era melhor ainda, a falta tinha sido na área. Mas Neymar cobrou o pênalti para fora, aos 36.

O lance frustrou a torcida e abalou o time, que, mesmo atuando com dois jogadores a mais, não conseguiu se acertar em campo. E no final todos tiveram de se conformar com a 11ª derrota no campeonato.

Um dos jogadores revoltados ao fim do jogo foi o meia Marquinhos. Marcelo Martelotte tentou contornar o problema, sem explicar o motivo da revolta. O treinador, defendeu Danilo das vaias, disse que vai repensar se Neymar seguirá cobrando pênaltis. "Ele continua treinando muito depois da mudança da regra e está se readaptando", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.