Santos dá mais um show no Pacaembu

Mesmo sem as estrelas Robinho e Neymar, time massacra o Ituano por 9 a 1, na maior goleada da competição

Wagner Vilaron, O Estadao de S.Paulo

22 de março de 2010 | 00h00

O gol do zagueiro João Leonardo, do Ituano, logo no primeiro lance do jogo se mostrou apenas um acidente de percurso. O Santos não tomou conhecimento da desvantagem inicial, pressionou o adversário e conquistou mais uma goleada histórica, dessa vez por 9 a 1. Com o resultado, a equipe da Vila Belmiro chegou a 35 pontos e se manteve na liderança isolada do Campeonato Paulista, dois à frente do Santo André, e precisa de apenas mais uma vitória nas quatro últimas rodadas da fase de classificação para garantir matematicamente presença nas semifinais.

Mais uma vez o time comandado por Dorival Júnior superou as expectativas da torcida que esteve no Pacaembu. Com muita movimentação, velocidade no toque de bola e uma sede por gols que parece não ter fim, características que marcam a equipe na temporada e encantam até torcedores rivais, o Santos transformou um susto em treino de luxo, ou melhor, em exibição de gala. Se as ausências das duas principais estrelas, Neymar e Robinho, era motivo de preocupação na véspera, depois do segundo gol deixou de ser lembrada.

Quem aproveitou para ocupar a vaga de protagonista da equipe foi o atacante André. Autor de três gols, ele chegou a 10 e ultrapassou Neymar na briga pela artilharia da equipe. O principal goleador da competição é Rodriguinho, do Santo André, com 11.

O desespero da equipe de Itu provocou situação curiosa. Aos 29 minutos do primeiro tempo, logo após o gol da virada santista, marcado por Paulo Ganso, o técnico do Rubro-negro, Mazola Jr, não titubeou. Com receio de sofrer uma goleada histórica, ele ignorou o fato de estar atrás do placar e trocou o atacante Marcel pelo zagueiro Jean Pablo. Antes disso, a tentativa foi parar a máquina alvinegra com faltas. Além de não funcionar, custou a expulsão de Carlos Eduardo.

Como nem sempre a história é contada pelos vencedores, do lado perdedor o personagem foi o goleiro Saulo. Ele era o titular do Santos em 2005, quando a equipe foi goleada por 7 a 1 pelo Corinthians, então com Tevez. De fato, o Pacaembu não traz boas recordações ao goleiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.