Santos desiste de ficar com Neilton Muricy reclama da falta de fôlego dos jogadores

"Nosso condicionamento físico é muito ruim." Foi com uma frase direta que Muricy Ramalho tocou o dedo na ferida que vem incomodando a diretoria e os jogadores: falta gás para o São Paulo se impor nos jogos.

FERNANDO FARO, SANCHES FILHO / SANTOS, FERNANDO FARO, SANCHES FILHO / SANTOS, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2013 | 02h03

O despreparo dos jogadores já havia sido identificado como um dos principais problemas da equipe desde a gestão Ney Franco. O treinador e seu auxiliar Alexandre Lopes são apontados como responsáveis pelo estado ruim dos atletas. Muricy apenas tornou as críticas públicas, mas Paulo Autuori já havia detectado o problema. De maneira sutil, ele seguidas vezes indicou que o grupo não suportava o ritmo das partidas.

Irritado com o mau desempenho no segundo tempo contra a Universidad Católica na Copa Sul-Americana, Muricy afirmou que um dos motivos pelos quais o time patina na temporada é a incapacidade de sobressair fisicamente. "No primeiro tempo, enquanto estávamos bem, dominamos o jogo. Depois não tivemos força. Contra o Goiás foi nítido, quase não sofremos, mas não chegamos ao gol deles. Enquanto tivemos perna mandamos no jogo, mas depois cansamos. Isso nos preocupa bastante". lamentou.

Os dirigentes evitam tocar no assunto para não criar novos desgastes com Ney Franco, agora no Vitória, mas receberam relatos de atletas que disseram que Alexandre Lopes não cobrava o elenco e por isso os resultados eram aquém do esperado. Lopes deixou o São Paulo junto com Ney e agora o Tricolor conta com Zé Mário - que chegou a integrar a comissão anterior e foi recontratado recentemente pelo clube - para a função.

Silêncio. A reportagem procurou Ney Franco para se pronunciar sobre o assunto, mas por meio da sua assessoria ele informou que não iria rebater as críticas feitas por Muricy.

SÃO PAULO. LEIA MAIS NOTÍCIAS DO CLUBE NO

estadao.com.br/e/saopaulofc

Neilton não joga mais pelo Santos. Não houve acordo para a renovação do contrato do garoto de 18 anos - que vence em maio - e o clube decidiu encerrar a negociação. Até novembro, quando poderá assinar pré-contrato com outro clube para se transferir de graça ao final do seu vínculo, ele ficará apenas treinando.

O Santos ofereceu R$ 35 mil mensais, com reajustes anuais de R$ 5 mil e mudança de faixa salarial em caso de convocação para a seleção principal, além do pagamento antecipado de um valor a título de luvas, por um vínculo de cinco temporadas. O que se comenta no clube é que Neilton queria R$ 100 mil por mês. São Paulo e Atlético-MG são apontados como prováveis destinos.

Outro garoto, Victor Andrade (que faz 18 anos segunda-feira), foi multado e afastado do elenco por ter se recusado a viajar para uma excursão por Vietnã e Indonésia com um grupo formado por atletas da base e outros que têm sido pouco utilizados por Claudinei Oliveira.

O técnico perdeu Montillo, que ficará dez dias parado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.