Santos faz 1.º teste e coloca 4 dos 9 reforços em ação

Equipe enfrenta a Portuguesa Santista, no Pacaembu, com Lúcio Flávio, Madson, Roni e Luizinho em campo

Sanches Filho, SANTOS, O Estadao de S.Paulo

17 de janeiro de 2009 | 00h00

O Santos faz amistoso contra a Portuguesa Santista, da Série A2 do Campeonato Paulista, hoje, às 17 horas, no estádio do Pacaembu, para mostrar o que mudou em relação à equipe que por pouco não caiu para a Série B no Campeonato Brasileiro do ano passado. Dos nove contratados, quatro estarão em campo: o lateral-direito Luizinho, os meias Lúcio Flávio e Madson e o atacante Roni. Ainda não será o time sonhado pelo técnico Márcio Fernandes, que escolheu um adversário mais fraco para não correr o risco de uma surpresa desagradável logo de cara. "Gostei dos coletivos porque a movimentação foi boa, mas ainda falta muito para atingirmos um nível de competição", reconheceu o técnico, que ganhou também como reforços o meia-atacante Bolaños, os zagueiros Paulo Henrique e Astorga, o volante Germano e o lateral-esquerdo Triguinho. Como todos os treinadores de times grandes, Márcio se queixou do pouco tempo que teve para dar um mínimo de condicionamento à equipe e entrosar os novos jogadores. Acredita que os clubes que começaram a preparação mais cedo vão levar vantagem nas primeiras rodadas do Paulista. "Estamos treinando há apenas uma semana e faltam poucos dias para a estreia no Estadual. O amistoso vai servir para dar um pouco de ritmo de jogo à equipe." Enquanto o técnico, que subiu com o adversário para a Série A1 do Campeonato Paulista quando era jogador, considera o amistoso uma homenagem ao segundo time da Baixada, os jogadores dizem que a responsabilidade do Santos é grande. "A obrigação de vencer é sempre do grande, não importa o adversário", analisou o lateral Luizinho, ex-Flamengo, substituto de Wendel, que voltou ao Palmeiras. "Se acontecer o pior e a gente perder, será criada uma polêmica logo no início do ano, como ocorreu com o Palmeiras naquele jogo-treino. Se ganharmos, vão dizer que não fizemos mais do que a obrigação."BOA IMPRESSÃOPara o zagueiro Adaílton, apesar da falta de entrosamento e de melhor condição física, o Santos não pode encarar o jogo de hoje como um simples amistoso. "Estaremos diante da nossa enorme torcida da capital e precisamos deixar uma boa impressão. Precisamos da vitória para estrearmos mais confiantes no Campeonato Paulista, quatro dias depois, contra o Guaratinguetá", comentou. A diretoria explicou que não foi possível encontrar um adversário mais forte para o primeiro amistoso do ano porque a maioria dos grandes está fazendo a pré-temporada. E sobre a marcação do "Clássico das Praias" para a capital, a justificativa foi que o gramado da Vila Belmiro passou por reformas e ainda não está pronto. Como no 2º turno do Brasileiro do ano passado, o clube repetiu a promoção, limitando a R$ 20,00 o preço do ingresso para qualquer setor do Pacaembu. Estudantes e torcedores com camisa do clube pagam meia-entrada. Já foram vendidos mais de 10 mil ingressos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.