Santos faz a sua parte e é líder

Equipe joga bem melhor do que no Paulista e assume a ponta do grupo ao bater o Chivas, na Vila, por 1 a 0

Martín Fernandez, O Estadao de S.Paulo

05 de março de 2008 | 00h00

Se o Santos jogasse o Campeonato Paulista como disputa a Taça Libertadores, estaria na briga pelo título estadual. Ontem à noite, na Vila Belmiro, o Santos bateu o Chivas Guadalajara por 1 a 0 e assumiu provisoriamente a liderança do Grupo 6 da competição continental. O time de Emerson Leão mostrou muita disposição, abriu vantagem com um golaço no primeiro tempo e soube resistir à pressão dos mexicanos no segundo.O time começou arrasador. Logo no primeiro minuto teve um gol anulado pelo árbitro paraguaio Carlos Amarilla. Carleto levantou da esquerda, Kléber Pereira desviou de cabeça e Domingos, em posição de impedimento, tocou para as redes.E não houve desânimo pela anulação do gol. O Santos seguiu pressionando, sobretudo pela esquerda, onde Carleto por vezes fez o torcedor esquecer da ausência de Kléber, que se recupera de cirurgia.Mas o gol saiu pelo lado direito, em grande jogada do até então apagado Molina. O colombiano recebeu na intermediária, cortou para dentro e mandou um tiro perfeito de fora da área. A bola encobriu o nanico Luis Michel, goleiro de 1,78m do Chivas, e morreu nas redes.O jogo ficou tenso. Após disputa de bola no meio-de-campo, o volante Solís pisou no atacante Wesley. O banco de reservas do Santos esbravejou, mas Carlos Amarilla fez que não viu.O Chivas acordou no meio do primeiro tempo. E após perder duas boas chances em chutes de fora da área, quase empatou em cabeçada do zagueiro Rodriguez, após cobrança de escanteio pelo lado esquerdo.O Santos voltou mais recuado para o segundo tempo , esperando o Chivas em seu campo de defesa para poder sair no contra-ataque. O plano quase funcionou logo aos 7 minutos.Em alta velocidade, Kléber Pereira recebeu no meio e deixou o Trípodi na cara do gol. Livre, o argentino fez o mais difícil e mandou por cima. A torcida vaiou e Leão perdeu a paciência: sacou o argentino e mandou o garoto Tiago Luís em seu lugar. Um minuto depois, lançou o meia equatoriano Quiñones na vaga de Wesley.O time não melhorou. Ao contrário, se encolheu ainda mais na defesa e permitiu várias chances de gol aos visitantes. A postura defensiva ainda foi confirmada por Leão, que sacou Molina para a entrada do zagueiro Anderson Salles.A partir da metade do segundo tempo, o melhor jogador do Santos foi Fábio Costa, que evitou o empate apesar da pressão insistente dos mexicanos. O Santos já estava nas cordas, inclusive no aspecto físico.A dez minutos do fim, Kléber Pereira teve ótima oportunidade para definir o jogo. Recebeu livre na entrada da área, mas perdeu a bola ao tentar driblar o goleiro. Para sorte dos santistas, o Chivas foi ainda mais incompetente nas finalizações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.