Santos festeja vitória, mas não a atuação

Técnico Dorival Júnior fica aliviado por não cair para perto da zona do [br]rebaixamento, mas pede mais futebol ao time

Sanches Filho, especial para o Estado, de Santos, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2010 | 00h00

Dorival Júnior comemorou mais o resultado do que o futebol que o Santos apresentou na vitória por 1 a 0, ontem, na Vila Belmiro, contra o misto do São Paulo. "Foi importante voltarmos a pontuar. Ganhamos de uma das melhores equipes do País, mas precisamos de algo mais se quisermos superar o Vitória (no primeiro jogo da final da Copa do Brasil) na quarta-feira", avisou o comandante santista.

O técnico repetiu que o principal objetivo do momento é a decisão da Copa do Brasil, mas reconheceu que com os três pontos de ontem, o time saiu de uma situação que já preocupava. "Essa vitória representa muito em termos de Campeonato Brasileiro. Com os três pontos, além de recuperarmos a confiança, voltamos a nos aproximar dos primeiros colocados na classificação e a nos distanciarmos das últimas posições da tabela."

Marquinhos, que ontem fez o seu primeiro jogo no segundo semestre, aprovou a atuação do time. "Foi um outro Santos. E era preciso voltar a vencer porque não há garantia de que vamos ganhar a Copa do Brasil", disse o meia. "Não podemos nos descuidar no Campeonato Brasileiro, que também classifica para a Taça Libertadores."

Neymar, outra decepção. A festa santista só não foi completa porque o torcedor voltou a manifestar insatisfação com Neymar, o atacante brasileiro mais badalado antes da Copa do Mundo - sua convocação para a seleção brasileira chegou a ser pedida antes da competição.

"O importante é que o Santos voltou a vencer", despistou Neymar, procurando demonstrar que a sua preocupação no momento ainda é o time alvinegro, apesar das propostas que chegam para se transferir para o exterior. O jogador, no entanto, mostra ansiedade para a primeira convocação de Mano Menezes à frente da seleção brasileira. "Não sou só eu. O Ganso também está ansioso e vamos acompanhar em casa, com a cabeça no lugar." Questionado se o futebol que vem jogando hoje justificaria a sua convocação, Neymar disse que sim. Mas seu último gol foi contra o Guarani (3 a 3), em 25 de maio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.