Santos, jogo para esquecer

Equipe da Vila Belmiro e o Guarani fazem um duelo medíocre em Campinas e o 0 a 0 castiga o torcedor

Marcon Beraldo ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2010 | 00h00

Guarani e Santos sentiram muito a falta de seus principais jogadores, Mazola, suspenso, e Neymar, punido. Quem perdeu foi o futebol: as duas equipes tiveram um desempenho irregular e o placar não poderia ter sido outro, 0 a 0. Com o resultado, o Santos ficou mais distante do sonho da tríplice coroa, com 35 pontos. Já o Guarani passou a somar 30 e se tranquilizou na tabela do Campeonato Brasileiro.

O primeiro tempo foi equilibrado, mas o Santos conseguiu chegar com mais perigo ao gol de Douglas. O tempo, quente, e o clima, seco, prejudicaram as duas equipes, diminuindo o nível técnico do futebol.

Jogo truncado, com vários lances ríspidos e muitas faltas, já que o árbitro optou por deixar a partida correr solta. Talvez por isso mesmo aconteceram poucas jogadas de ataque.

A única chance de gol aconteceu aos 30 minutos, e foi do Santos. Fabão errou a rebatida, Madson serviu para Zé Eduardo marcar por cobertura na saída do goleiro, mas a bola saiu.

O Santos aparentemente tinha o domínio do jogo, mas não conseguia chegar ao gol adversário. Já o Guarani, também desfalcado, estava sem articulação no meio de campo e tentava fazer ligação direta, raramente chegando ao gol adversário.

No intervalo, os jogadores dos dois times tentavam explicar o inexplicável, mas o zagueiro Edu Dracena fazia uma análise mais sensata da situação da partida e resumia: "Quando aparecer a chance temos de fazer o gol."

Os dois treinadores fizeram as seis modificações possíveis, tentando dinamizar seus times. Mas o esforço foi em vão.

O goleiro Douglas chegou a fazer uma grande defesa em chute de fora da área de Alan Patrick, no único lance que causou emoção no Brinco de Ouro, no segundo tempo. Nos últimos minutos, a exemplo de outras partidas, quando fez gols, o Guarani pressionou o adversário, na base da correria, mas o placar ficou inalterado até o final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.