Santos obrigado a reagir na Vila

Diante do XV e sem Neymar, Muricy insiste com Montillo e Assunção para o time voltar a vencer no Estadual

SANCHES FILHO / SANTOS , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2013 | 02h08

Sem Neymar, que cumprirá suspensão pela expulsão contra a Ponte Preta, o Santos enfrenta o XV de Piracicaba hoje, na Vila Belmiro, com a responsabilidade de ter de voltar a vencer depois das derrotas contra Paulista e Ponte Preta e do empate diante do Linense. Como Miralles ainda machucado, Muricy Ramalho formará o ataque com o garoto Giva, de 20 anos de idade, para fazer a função de Neymar, e com André. A dupla funcionou bem nos treinos. O treinador também optou por apostar na experiência de Marcos Assunção, ainda fora de forma, e deixará Renê Júnior no banco.

O quadro de momento do Santos está longe de ser satisfatório ou pelo menos aceitável. Com a conquista de apenas um ponto em três jogos, oito gols sofridos e quatro marcados, o time despencou da liderança e precisa reagir para não por em risco a classificação entre os quatro primeiros para ter vantagem nas fases decisivas.

A soma de 14 pontos em 24 disputados é baixo demais para quem tem Neymar (ficou fora apenas do jogo contra o Linense), uma das comissões técnicas mais caras do futebol brasileiro e investiu alto na contratação de reforços, principalmente na de Montillo, que teria custado mais de R$ 20 milhões. Além disso, o Santos é único dos grandes que pode se concentrar inteiramente no Campeonato Paulista porque não disputa a Taça Libertadores deste ano.

A justificativa de Muricy para o fraco desempenho santista era, até duas rodadas atrás, a falta de tempo para preparar física e tecnicamente os jogadores recentemente contratados, especialmente Montillo e Marcos Assunção, mas as duas últimas semanas foram livres, sem jogos às quartas-feiras, e o time piorou.

A direção santista não vê motivo para preocupação mesmo com o surgimento dos primeiros focos de descontentamento com o trabalho de Muricy. Alega que a fase de classificação ainda não está nem na metade e que a tendência é o time começar a evoluir na medida em que melhorar o entrosamento dos novos titulares Montillo e Marcos Assunção, contratados para livrar o Santos da dependência de Neymar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.