Santos perde a segunda seguida

A exemplo de São Paulo e Corinthians, time de Luxemburgo cai diante do Náutico, por 2 a 1, na Vila Belmiro

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2029 | 00h00

Kléber Pereira chegou ao Santos para resolver a falta de gols do time. O atacante deixou sua marca mais uma vez ontem, mas sozinho não consegue fazer milagres. Com várias oportunidades de gol desperdiçadas, o bicampeão paulista perdeu para o Náutico, por 2 a 1, na Vila Belmiro, e com 18 pontos permanece na 13ª colocação, mais perto da zona de rebaixamento. Com a vitória, a equipe pernambucana fugiu da lanterna, com 13 pontos, em 18º."Nosso time está numa situação difícil, precisa ter calma agora", admitiu Rodrigo Tabata. "Com todo o respeito, não dá pra perder de um rival como esse", desabafou Kléber Pereira.Antes do jogo, o técnico Vanderlei Luxemburgo havia pedido respeito ao adversário. Bem verdade que o Náutico é um dos piores times do Brasileiro, e não era à toa que estava na última colocação. Mas o treinador santista lembrou que os pernambucanos haviam vencido Corinthians e São Paulo. Exatamente os dois únicos triunfos que tinham na competição até ontem. Chegaram a três, e mais uma vez sobre um paulista. Só perderam para o Palmeiras. O Santos poderia estar mais bem colocado, se mantivesse a regularidade. Contra o Palmeiras, levou o empate (2 a 2) no último minuto. Na partida seguinte, bateu o Figueirense (3 a 1) e, na última rodada, perdeu para o Goiás, por 1 a 0, num jogo em que até pênalti desperdiçou. Ontem, esperava reencontrar a vitória. Mas encontrou um adversário que se fechou bem na defesa e apostou nos contra-ataques.No primeiro tempo, o Santos não se encontrou em campo. O lateral-esquerdo Kléber e o meia Pedrinho alternavam suas posições, como normalmente costumam fazer. Só que, desta vez, não tiveram sucesso. Sidny, pelo lado direito do Náutico, chegava com perigo contra a meta de Fábio Costa. O primeiro gol, entretanto, começou a ser construído pelo lado oposto. Jogada de Amilton e sobra de bola para Elicarlos, que errou o chute. O zagueiro Adailton se atrapalhou com a falha do meia, vacilou e Elicarlos, na repetição, não desperdiçou e fez 1 a 0. Uma bola na trave foi o melhor lance que o Santos conseguiu produzir na 1ª etapa. Nos últimos 45 minutos, Luxemburgo trocou Pedrinho por Renatinho. O time melhorou e tomou conta do jogo, no meio-campo. Faltava arriscar-se mais no ataque. Assim, como uma espécie de castigo, levou o 2º gol, de Acosta, aos 19. Quando o Náutico teve um jogador expulso, aí sim o Santos foi para a frente, com perigo, e conseguiu diminuir aos 42, com Kléber Pereira após falha da zaga adversária. No próximo jogo, quarta-feira, a equipe alvinegra tenta a volta por cima contra o Atlético, em Minas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.