Santos poderia ter posto as duas mãos na taça

Equipe até vence bem o Vitória, por 2 a 0, mas teve chance de liquidar a final. [br]Neymar perde pênalti incrível

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

SANTOS

O Santos vai para Salvador com boa vantagem na decisão da Copa do Brasil, apesar do sentimento de que poderia ter colocado as mãos na taça ontem, na Vila Belmiro. Desperdiçando inúmeros gols, e até um pênalti cobrado ao estilo Loco Abreu na Copa da África por Neymar, o time ganhou por 2 a 0 do Vitória e jogará com a possibilidade até de derrota por 1 a 0, quarta-feira, no Barradão, para erguer o inédito título. Os baianos precisarão repetir seus placares em casa, na competição, onde ganharam todas no seu caldeirão por dois ou mais gols de diferença, para ao menos ir para os pênaltis. Os santistas não perderam na Copa do Brasil por mais de um gol de diferença. E sempre marcaram.

Apesar do triunfo, os torcedores santistas foram para casa chateados e irritados com Neymar, que depois de marcar o primeiro gol, teve a chance de fazer o segundo e "brincou" na cobrança de pênalti aos 30 da fase final. Depois do lance, ele foi xingado e, a cada vez que pegava a bola, era vaiado. "Joga sério moleque do c...", protestaram os torcedores, num dia em que a firula de seu atrevido e irreverente atacante acabou custando um gol.

A noite de Neymar só não foi pior graças a Marquinhos, que entrou no fim e salvou sua pele, com precisa cobrança de falta.

Neymar saiu como vilão ? podia ter sido expulso, no fim, ao perder a cabeça. Mas Robinho, André e Ganso, integrantes do quarteto santástico, também tiveram parcela de culpa, com vários gols perdidos. Quem viu o jogo não teve dúvidas de que era para ser mais uma daquelas goleadas do primeiro semestre.

Belo espetáculo. Final de campeonato tem um clima diferente. Mais festivo, alegre, colorido e barulhento. Na eterna casa de Pelé, torcedores santistas e rubro-negros deram um espetáculo à parte ontem à noite. Os visitantes chegaram primeiro ao estádio. Soltaram a voz, impressionando até os donos da casa, tamanha a empolgação.

Os santistas começaram a deixar a Vila preta e branco uma hora antes de a bola rolar. Um belo bandeirão demonstrou o apoio ao time e serviu de cartão postal. Dali em diante, quem deu a bola foram eles, com vários apitos, distribuídos para atrapalhar os atletas baianos e com sinalizadores, dando um belo colorido.

O Vitória entrou primeiro em campo. Vaiado. Com um bebê no colo e outras crianças a seu redor, Neymar puxou a fila dos santistas. Ganso fechava. Robinho e André, possivelmente pela última vez atuando na Vila, completaram o quarteto. Ciente de que necessitavam colaborar não apenas com boas apresentações, mas com gols, os meninos partiram para cima e logo soltaram o grito de gol. Aos 14 minutos, Pará cruzou e Neymar usou o peito para fazer 1 a 0. Ali, quebrava jejum de sete jogos sem anotar gols. Num primeiro tempo todo dominado pelo Santos, Robinho e André tiveram boas chances para ampliar. Chutaram chances de ouro fora. "Dominamos, agora é voltar e buscar outro gol", pregou André.

O time marcou, mas com muito custo, com Marquinhos, aos 38, em cobrança de falta. Naquele momento, o time podia estar com 4, 5 ou 6 a 0 no placar. Saiu com gostinho de quero mais, mas comemorando a boa e importante vantagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.