Santos põe em campo seu amplo favoritismo

As apostas são todas nos Meninos da Vila contra o S. André, hoje, no 1º jogo da final

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2010 | 00h00

A nova geração de Meninos da Vila começa a decidir hoje seu primeiro título, o do Campeonato Paulista, em clima inevitável de favoritismo. A partir das 16 horas, contra o esforçado Santo André, o Santos contará com o apoio de mais de 30 mil torcedores, convictos de mais um espetáculo orquestrado por Neymar, Paulo Henrique Ganso e o "veterano" Robinho, no Pacaembu.

Sensação durante todo o campeonato, o jovem time tem pela frente um adversário regular, mas limitado e sem grandes astros. Com o maior desequilíbrio aparente dos últimos anos, a final do Estadual é aguardada com expectativa por grandes nomes do esporte, ansiosos em ver como os garotos do Santos vão se portar na sua estreia em decisões. "É ver a final para sabermos se o Santos realmente é a seleção, como estão dizendo, se vai fazer nove, dez gols", diz Ademir da Guia, um dos maiores ídolos da história do Palmeiras. "Acredito que os meninos não vão se inibir na final, vão jogar bonito como vêm jogando. Favoritos eles já mostraram que são."

Zenon, que brilhou no Corinthians na primeira metade da década de 80, é menos comedido. "Não acredito em surpresas. O Santos é muito mais time que o Santo André e pratica o melhor futebol do País." Para o ex-meia, os garotos já provaram maturidade em testes mais difíceis. "Eles mostraram força nos clássicos, fizeram grandes jogos. São jogadores diferenciados."

Um dos mais festejados do Santos, Neymar mostrou na primeira fase que gosta de partidas importantes. Aos 18 anos, o atacante fez gol e foi protagonista nos três clássicos, com direito a polêmicas. Contra o São Paulo, marcou de pênalti na vitória por 2 a 1 e irritou Rogério Ceni ao usar a paradinha.

No triunfo pelo mesmo placar sobre o Corinthians, fez um belo gol e dessa vez causou a ira de Chicão, com um balãozinho fora do lance de jogo. Por último, deixou o seu na derrota para o Palmeiras (4 a 3), mas acabou expulso após forte entrada em Pierre.

Duelo justo. O encontro entre Santos e Santo André na finalíssima do Paulista faz justiça ao que se viu durante a competição. Os santistas lideraram a primeira fase e o time do ABC terminou em segundo com dez pontos atrás. Foram as duas únicas equipes a fazer gol em todas as rodadas deste Estadual.

As semelhanças, no entanto, param por aí. O time da Vila foi protagonista absoluto e encantou até as torcidas rivais, com futebol ofensivo e eficiente. Marcou 61 vezes em 19 jogos e produziu goleadas memoráveis ?a maior vítima foi o Ituano, que apanhou de 9 a 1.

As duas boas vitórias sobre o São Paulo nas semifinais (3 a 2 no Morumbi e 3 a 0 na Vila) só fizeram crescer a badalação em cima do time de garotos treinado por Dorival Júnior. "As pessoas querem ver o Santos jogar, faz tempo que não se vê um futebol tão bonito", comenta Ademir da Guia. "Tenho amigos que não torcem pelo Santos e planejam ver o jogo no estádio."

De acordo com Zenon, a ausência de um clássico na decisão do Estadual é compensada pela boa fase de Neymar, Robinho e companhia. "Independentemente do clube do coração, quem gosta de futebol vai ver a final", diz o corintiano. "Acredito que ocorre com o Santos o que ocorreu com o Ronaldo no ano passado, no Corinthians", observa. "As pessoas paravam para assistir aos jogos por causa dele. Hoje, todos querem ver os garotos da Vila em ação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.