Santos promete ignorar vantagem e jogar no ataque

Técnico diz que time aprendeu a lição de nunca mudar a forma de atuar após susto de domingo passado no Morumbi

Sanches Filho, SANTOS, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2010 | 00h00

Atacar como sempre e respeitar como nunca. Essa é a receita do Santos para não ser surpreendido pelo São Paulo, amanhã, às 16 horas, na Vila Belmiro, no clássico que vai apontar um dos finalistas do Campeonato Paulista. "A melhor maneira para confirmarmos a classificação é procurar não administrar o jogo. Temos de ignorar o regulamento e não fugir do que sempre fazemos, que é atacar durante os 90 minutos e respeitar o adversário", aconselhou o veterano Léo.

Marquinhos também recomenda que o time não mude a maneira de jogar. "Como o Dorival Júnior tem falado, a vantagem só poderá ser importante nos minutos finais do segundo jogo. O Santos ataca sempre, independentemente de estar ganhando de 5 ou 6 ou se a partida estiver 0 a 0."" Mas, para o ex-meia do Avaí, o que pode ocorrer é a equipe segurar a bola e cadenciar o jogo faltando cinco minutos.

Dorival Júnior viveu duas situações distintas entre domingo e quarta-feira: a vitória, com susto, contra o São Paulo, no Morumbi, e a grande atuação do time no massacre por 8 a 1 contra o Guarani, na Copa do Brasil, na Vila. Das duas, o treinador escolheu a primeira para usar na preparação psicológica do time, visando à decisão de amanhã. Ele lembrou que no primeiro tempo do clássico o time abriu vantagem de 2 a 0 e, após a expulsão de Marlos, até ensaiou um placar maior, mas, na etapa final, não apenas permitiu o empate como também por pouco não perdeu de virada, embora tenha vencido com o gol de Durval no fim.

"Aquela foi a primeira em vez no campeonato que um adversário conseguiu envolver por completo o nosso time", reconheceu Dorival Júnior. "Acredito que no domingo (amanhã) será outro tipo de jogo, contra uma equipe grande e de qualidade. O que ocorreu domingo no Morumbi define bem o que o São Paulo representa e o respeito com que teremos de jogar para nos classificar", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.