Santos: que vida dura!

Time leva de 3 a 0 do Figueirense e completa 10 jogos sem vitória. Cuca pede demissão, mas presidente não aceita

Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

17 de julho de 2008 | 00h00

A crise no Santos parece não ter fim. O time da Vila Belmiro completou dez jogos sem vitória, ontem à noite, em Florianópolis, ao ser derrotado pelo Figueirense por 3 a 0. Com o resultado, a equipe segue em penúltimo lugar, com apenas oito pontos, um à frente do lanterna Ipatinga. O técnico Cuca logo após o jogo pediu demissão no vestiário. "Assumo toda a responsabilidade pelo que está acontecendo com a equipe", afirmou o técnico demissionário. Entretanto, o presidente Marcelo Teixeira não aceitou o pedido e convocou uma reunião com o treinador para hoje. A previsão do dirigente santista é de que o time consiga uma vitória sobre o Sport, domingo, na Vila Belmiro, e amenize um pouco a crise. A delegação desembarca no Aeroporto de Congonhas às 11h35.Em oito jogos no comando do Santos, Cuca levou o time a quatro empates e sofreu quatro derrotas. O treinador veio do Botafogo, equipe que comandou em dois vice-campeonatos cariocas e duas semifinais da Copa do Brasil. Saindo do Santos, Cuca é cotado para assumir o Atlético-PR, caso Roberto Fernandes deixe o cargo. Ontem, o time paranaense, em 15º lugar, perdeu para o Cruzeiro por 1 a 0, no Mineirão.Em 12 jogos pelo Campeonato Brasileiro, o Santos só venceu o Ipatinga. São mais cinco empates e seis derrotas. É o pior início de campeonato da história do clube. Cuca, que ameaçou pedir demissão no intervalo do jogo com o Botafogo, domingo, quando perdia por 2 a 0 - no fim, conseguiu o empate - afirmou depois que a semana com os confrontos diante do Figueirense e Sport seria decisiva para ele e para alguns jogadores. Geninho, que saiu do Botafogo, Zetti, do Juventude, e Vagner Benazzi, da Portuguesa, são os favoritos para substituí-lo, caso saia mesmo.O início do jogo foi eletrizante. Logo no primeiro minuto as equipes perderam boas oportunidades. O Figueirense chegava com mais facilidade ao gol de Felipe, mas era o Santos que levava mais perigo. Kléber Pereira, que havia diminuído a cobrança da torcida após os dois gols de domingo contra o Botafogo, voltou a perder chances. Foram três em 16 minutos.Mas, enquanto o ataque perdia gols, a defesa falhava demais. Após cobrança de falta, Edu Sales surgiu livre quase na pequena área para abrir o placar, aos 27, de cabeça. Com a vantagem, a equipe de Santa Catarina se fechou. O Santos se lançou ao ataque, mas Kléber Pereira desperdiçou mais duas boas oportunidades.O castigo não demorou. Em rápido contra-ataque, Edu Sales recebeu na meia-direita, chutou forte e cruzado, sem chance para Felipe, substituto de Fábio Costa, que se machucou na segunda-feira: 2 a 0 Figueirense, aos 45 minutos. "A gente tenta, mas não faz gol. Dá tudo errado", disse Felipe.O Santos veio para o tudo ou nada no segundo tempo. Assustou o bom goleiro Wilson com Maikon Leite em dois lances, mas não chegou ao gol. Lá atrás, a zaga não se cansou de falhar. Bola alta na área e gol, dessa vez de Tadeu, aos 12: 3 a 0. Desesperado, Cuca pôs três atacantes para se juntar a Kléber Pereira. Tirou o lateral Apodi e os meias Molina e Michael. Apesar de tantos jogadores na frente, a bola não passava do meio-campo. Até o fim, o Figueirense esteve mais perto do quarto gol que o Santos do primeiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.