Santos reencontra pivô da crise

Derrota para o Cruzeiro, no 1.º turno, culminou na demissão de Leão e no início da má fase

Sanches Filho, O Estadao de S.Paulo

24 de agosto de 2008 | 00h00

Há cinco jogos sem saber o que é vencer e estacionado na penúltima colocação do Brasileiro, o Santos volta a cruzar com o Cruzeiro, hoje às 16 horas, na Vila Belmiro. Foi em conseqüência da goleada por 4 a 0 sofrida diante dos mineiros, em Belo Horizonte, no dia 25 de maio, que o então técnico Emerson Leão, não suportando as pressões, demitiu-se, apesar de campanha razoável no Campeonato Paulista e da boa participação na Libertadores. Era o começo de uma das maiores crises da história do clube, cujo final tanto poderá ser uma reação exemplar como a queda para a Série B.O julgamento favorável ao clube dos incidentes ocorridos na Vila Belmiro, após a derrota contra o Atlético-MG, e a liberação de Rodrigo Souto pela Fifa mudaram o ambiente. Todos acreditam que a fase negativa ficou para trás e que agora vai começar a reação do time no Brasileiro. Pela primeira vez, as dúvidas do técnico Márcio Fernandes são em razão de ele ter mais de um jogador em condições para algumas posições - e não em função de desfalques. A preocupação do treinador é mais pela qualidade do Cruzeiro. "Eu, como santista, não tenho dormido. Fico direto na televisão, vendo os lances a favor ou contra o Cruzeiro", afirma. "É um adversário difícil dentro e fora de casa."O técnico ainda não decidiu quem vai escalar porque prefere esperar pela recuperação de Kléber (sofreu entorse no tornozelo direito) até pouco antes do jogo. Se ele for vetado, o treinador tanto pode escalar Michael na posição e Robson no meio-de-campo, como simplesmente substituí-lo por Carleto.Márcio desconversa sobre o aproveitamento de Adaílton, outra vez registrado para o Brasileiro, e Rodrigo Souto, cuja suspensão por doping vale apenas para competições da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol). Mas ambos devem jogar. "Como o time vem atuando com dois zagueiros, necessita de uma marcação mais firme à frente da defesa", afirma o técnico. "E nós passaremos a ter isso com o retorno de Rodrigo Souto. Também vai melhorar a qualidade da saída da bola."O jogador está confiante em retornar já contra o Cruzeiro. "Sabia que essa hora ia chegar a qualquer momento. Por isso, mesmo abalado com o que me aconteceu, vinha trabalhando tanto quanto os companheiros ou até mais", conta Rodrigo. CRUZEIRO ESPERA WAGNERO técnico Adilson Batista espera a recuperação de Wagner para definir a equipe que enfrenta o Santos. O meia faz tratamento para uma lesão na coxa. Charles, Espinoza e Fabrício têm retorno garantido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.