Santos vence e entra no páreo

Time derrota o Corinthians, na Vila, por 2 a 1, e chega aos 29 pontos. Rival segue com 30 e pode sair do G4 hoje

Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2008 | 00h00

Enfrentar o embalado Santos na Vila Belmiro foi demais para o Corinthians. O time de Emerson Leão venceu por 2 a 1, ontem à noite, e alcançou o quinto triunfo seguido. Uma espetacular reação, que deixa a equipe com 29 pontos e ainda com esperança de classificação às semifinais do Campeonato Paulista. O Corinthians segue com 30 pontos, mas pode sair do G4 se o São Paulo bater o Sertãozinho, hoje, no Morumbi. Detalhe: o time do Parque São Jorge não venceu nenhum clássico na competição estadual.''Sabíamos que era um jogo-chave. Merecemos a vitória'', disse Fábio Costa. ''Um clássico é decidido em detalhes. Um gol nosso foi mal anulado e um gol deles, mal validado'', reclamou o zagueiro William, referindo-se ao gol de Kléber Pereira, o segundo do Santos.Como se esperava, o jogo começou tenso. Correria, bolas divididas, mas pouca técnica. Os dois goleiros foram exigidos antes dos dez minutos. E precisaram fazer boas defesas. Felipe defendeu forte chute de Kléber Pereira; Fábio Costa bloqueou a finalização de Diogo Rincón.O jogo estava equilibrado, mas um erro infantil de Perdigão deu a vantagem ao Santos. O volante tropeçou e quase bateu com o rosto na bola, que foi roubada por Kléber. O lateral tocou para Kléber Pereira, que viu a chegada de Molina. O meia descobriu o chileno Sebastián Pinto, que finalizou. A bola bateu em Carlão e tirou Felipe da jogada: 1 a 0. ''O gol veio num momento importante, em um clássico'', disse o chileno. O Corinthians sentiu o golpe, principalmente Perdigão, que voltou a falhar mais duas vezes, preocupando o técnico Mano Menezes, que não parava de pedir para o atleta ter calma.Sem força ofensiva, o Corinthians só conseguiu assustar em bolas alçadas. Após um escanteio, Fabinho fez o gol de cabeça, mas o juiz Sálvio Spínola marcou corretamente antes falta de Diogo Rincón em Marcinho Guerreiro.O Corinthians tinha a iniciativa, mas seu ataque era, mais uma vez, inofensivo. Herrera corre demais, mas quase nada produz para a equipe. O Santos ficou no contra-ataque e poderia ter ampliado com Molina. Ele teve duas chances.O segundo tempo começou ainda melhor. Em um minuto, Carlão exigiu grande defesa de Fábio Costa; na outra chance, empatou o jogo, de cabeça.A Vila Belmiro ferveu e o jogo ganhou mais velocidade. Aos 6, Kléber Pereira foi lançado e atropelou Carlão. Até Pelé, no seu camarote, viu a malandragem do atacante santista. ''Foi falta'''', disse. Kléber Pereira chegou ao 11º gol no Estadual.Sabedor que a derrota dificultaria e muito sua classificação às semifinais, o Corinthians se desesperou. Um bombardeio aéreo tomou conta da área santista. Fábio Costa fez outra boa defesa, em chute de André Santos, enquanto Herrera, após quatro toques dentro da área, acertou o travessão.Percebendo a dificuldade de sua equipe nas bolas altas, Leão colocou o zagueiro Marcelo, de 1m90. Mano trocou Perdigão por Lulinha.O jogo voltou a ficar tenso aos 32 minutos, quando Herrera mostrou-se melhor ator que jogador. Em uma dividida, trombou com Betão. No chão, colocou os joelhos nas costas do zagueiro, que se irritou e lhe deu uma leve cabeçada. Foi expulso. ''Errei, mas todos viram o que ele fez nas minhas costas'', disse Betão.O Corinthians continuou pressionando, mas parou nas mãos de Fábio Costa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.