Santos vence outra em casa e fica tranqüilo

Time faz 3 a 0 no Figueirense, na Vila Belmiro, alcança os 39 pontos e se afasta dos últimos lugares

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

25 de outubro de 2008 | 00h00

O Santos fez, mais uma vez, valer o mando de campo e manteve uma invencibilidade de sete jogos na Vila Belmiro. Ontem, não teve trabalho para vencer o Figueirense por 3 a 0 e conseguiu ficar ainda mais próximo de uma vaga na Copa Sul-Americana, prêmio de consolação para um time que viu de perto a ameaça de rebaixamento. Com o resultado, ganhou uma posição: agora, é o 12º colocado, com 39 pontos, sete à frente da área do descenso.Antes da partida, Santos e Figueirense faziam um duelo direto para decidir quem ficaria mais longe da zona perigosa. O time de Santa Catarina, contudo, mostrou que é um dos candidatos ao rebaixamento - depois do resultado de ontem, perdeu posições, passou a ocupar o 15º lugar. Soma 34 pontos, apenas dois a mais que a Portuguesa, o 17º. Em momento algum o Figueirense assustou o time de casa e desperdiçou a única chance que teve para abrir o marcador.O jogo, que era muito fraco até os 25 minutos do primeiro tempo, poderia ter mudado se o atacante Tadeu não tivesse perdido um pênalti. O jogador do Figueirense foi derrubado por um estabanado Adaílton, mas, na hora da cobrança, praticamente atrasou a bola para o goleiro Fábio Costa. O capitão santista comemorou a defesa em seu retorno à Vila Belmiro, onde não jogava desde julho, por causa de seguidas contusões.Inconformado com a apatia do Santos diante de adversário tão inofensivo, o técnico Márcio Fernandes deu uma bronca na sua equipe: "Vejam se agora vocês acordam!", ordenou. E deu certo. Se Kléber Pereira não teve sorte na finalização (e ampliou o jejum de gols para três jogos), foi o meia Bida que fez a diferença. Depois da reclamação de Márcio Fernandes, o meia se aproximou do ataque e começou a atrapalhar o Figueirense. Não demorou muito para que saísse o primeiro gol do Santos.Aos 37 minutos, troca de passes do meia com Kléber Pereira na entrada da área. No rebote da zaga do Figueirense, o colombiano Molina aproveitou a chance e marcou pela 5ª vez no Campeonato Brasileiro. Já desnorteado, o Figueirense sequer teve tempo de esboçar reação. Aos 40, o próprio Bida ampliou o placar, ao receber lançamento de Molina: 2 a 0. "A marcação do Figueirense era boa, mas foi só colocar a bola no chão que ficou mais fácil jogar", admitiu o meia. No retorno à etapa final, o Figueirense já acusava o golpe, embora o técnico Mário Sérgio tenha tentado, com a entrada do meia Rodrigo Fabri, ganhar alguma ofensividade - a estratégia não funcionou. O Santos, que, mais relaxado, cansou de perder oportunidades, fechou o placar aos 16 minutos, com um gol de Rodrigo Souto, de voleio, após um escanteio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.