Santos viaja a Bauru para provar força

Repetir boa estreia é a meta do técnico Márcio Fernandes

Sanches Filho, O Estadao de S.Paulo

25 de janeiro de 2009 | 00h00

Motivado pela vitória convincente contra o Guaratinguetá, na estreia no Campeonato Paulista, o Santos enfrenta hoje o Noroeste, às 19h10, em Bauru, com o desafio de somar mais três pontos e provar que seu novo time também sabe ganhar fora de casa. Até aqui o começo de ano foi perfeito. Duas vitórias - a primeira, também por 2 a 0, no amistoso com a Portuguesa Santista -, quatro gols do sempre artilheiro Kléber Pereira e a rápida adaptação entre os seis remanescentes da sofrível temporada passada e os cinco recém-chegados titulares. Desempenho surpreendente para o time que era considerado a quarta força dos grandes, atrás de São Paulo, Corinthians e Palmeiras, antes de a bola rolar.Pode parecer exagero, mas após o jogo de quinta-feira à noite, na Vila Belmiro, o técnico Márcio Fernandes já estava preocupado em controlar possíveis focos de empolgação no grupo, embora ele mesmo não conseguisse esconder o entusiasmo. "Estou gostando do time. Mostramos evolução e, quando isso acontece, é sinal de que o trabalho está sendo bem feito. Fomos inteligentes, posicionando corretamente os jogadores e impondo um ritmo forte no início. Dentro do previsto, alguns jogadores cansaram na etapa final", analisou o técnico.Um dos maiores orgulhos do treinador é o sucesso dos jogadores que ele indicou. Até a estreia do lateral Luizinho (ex-Flamengo) no amistoso contra a Portuguesa Santista, os dirigentes procuravam um substituto para Wendel, que voltou para o Palmeiras. Falava-se em Elder Granja, Vítor e até de jogadores de fora do País. Mas, quando o jogo de domingo passado terminou, o clube desistiu de um novo nome para a posição.O mesmo aconteceu com o incansável Madson, que volta para fechar o meio-campo e puxa os contra-ataques pela direita. "A equipe melhorou na velocidade e na posse de bola. Kléber Pereira fez os dois gols, mas os outros jogadores também criaram oportunidades e tiveram chances para marcar", observou Márcio Fernandes. E Lúcio Flávio já desponta como novo ídolo. Foram dele as assistências para os gols de Kléber Pereira diante do Guaratinguetá. "O Santos precisava de um jogador que organizasse o jogo pelo meio e ditasse o ritmo. O Lúcio foi indicado para ser o cérebro do time. Já provou que acertamos na escolha. E podem esperar que ele vai melhorar muito ainda", aposta o técnico.Ainda não será hoje que a torcida verá o lateral Léo e o atacante Bolaños em ação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.