Santos vira no fim e vence a 2.ª

Equipe perdia para o Noroeste por 1 a 0, em Bauru, mas mostrou poder de reação

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

26 de janeiro de 2009 | 00h00

Os 2 a 0 que o Santos fez no Guaratinguetá na estreia do Estadual empolgaram a torcida e fizeram com que Márcio Fernandes brecasse o entusiasmo de início de ano. Após o resultado de ontem, o treinador vai ter o mesmo trabalho. Mesmo não mostrando um grande futebol, o time conseguiu a vitória sobre o Noroeste, por 2 a 1, de virada, em Bauru.A princípio, o Santos de 2009 se mostra melhor e mais promissor do que o do ano passado. Mais bem entrosado, a equipe pode dar trabalho na competição e ir longe. Reforços como Madson e Lúcio Flávio demonstram vontade e sabem jogar futebol. Ontem, no entanto, eles receberam forte marcação e a ligação meio-ataque ficou prejudicada.O Noroeste, que perdeu a primeira partida para o Paulista por 2 a 0, foi logo mostrando para o Santos quem era o dono da casa. Nada de ser um anfitrião bonzinho. Logo no primeiro minuto, Max Carrasco chutou cruzado pela direita, Fábio Costa deu rebote e Borebi fez 1 a 0.Se o camisa 9 do Noroeste teve estrela, o mesmo pode se dizer do matador santista. Após quatro gols em dois jogos no ano (dois contra o Guaratinguetá e dois no amistoso contra a Portuguesa Santista), Kléber Pereira demorou a aparecer. A melhor chance que teve foi na segunda etapa, quando o jogo já estava em igualdade. Chutou forte e a bola explodiu na cabeça de Bonfim. Depois, de pênalti, deu a vitória ao Santos.Logo após balançar as redes, o Noroeste quase ampliou o placar. Max Carrasco cruzou e Luizinho jogou contra o seu próprio gol - a bola passou raspando a trave.Durante o primeiro tempo, o Santos levou perigo a Vizzotti apenas uma vez. De falta, Lúcio Flávio obrigou o goleiro a realizar bonita defesa. "Nós tomamos um gol muito cedo e aí o Noroeste começou a esperar nosso time", lamentou o meia santista. "Eles marcaram nossos homens de criação, como eu e o Madson, e dificultaram nossa chegada."O panorama do jogo pouco mudou na segunda etapa: poucas boas jogadas, raras chances de gol. O Santos voltou do intervalo com mais ímpeto e o Noroeste afrouxou a marcação. Mas os erros de passe evitavam que os visitantes empatassem a partida. Márcio Fernandes resolveu mexer no time e o colocou mais para frente, com a entrada de Tiago Luís. Os últimos 15 minutos ganharam novo ritmo. De cabeça, Rodrigo Souto empatou aos 32 minutos. E, após João Marcos colocar a mão na bola na área, Kléber Pereira fez o vira aos 42.PELA 3.ª VITÓRIAApesar dos seis pontos em dois jogos, o Santos ainda tem muito a melhorar. Na quinta-feira, chance de nova vitória contra o Mirassol, na Vila. O time e a torcida estão empolgados. "No segundo tempo jogamos melhor. O time teve força para reagir e isso é importante", comemorou Kléber Pereira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.