Santos volta à rotina: joga mal fora de casa e perde

A derrota desta vez foi para o Sertãozinho: 1 a 0, ontem à noite

Wilson Baldini Jr., O Estadao de S.Paulo

01 de março de 2008 | 00h00

O Santos segue sem vencer fora da Vila Belmiro. Ontem, o time do técnico Emerson Leão foi derrotado pelo Sertãozinho, por 1 a 0, estaciona em 14 pontos e complicou sua classificação para a fase semifinal do Campeonato Paulista. Em seis partidas como visitante, o atual bicampeão estadual, que vinha de duas vitórias consecutivas, somou um empate e 5 derrotas. Nas duas próximas rodadas, o Santos volta a jogar na Vila (recebe Noroeste e Mirassol) e com a obrigação de somar seis pontos. "O time não consegue manter um padrão. Toma gols que não pode. É um problema de confiança para jogar o que joga em casa", disse o goleiro Fábio Costa.O jogo começou com os times abusando dos erros no passe. Em dez minutos, foram 14 passes errados. O Santos não conseguia armar uma jogada, pois Molina se escondia atrás da marcação, deixando a criação para os zagueiros Domingos e Betão. Resultado: o time buscou o ataque na base do chutão e só foi finalizar aos 24 minutos, por intermédio de Adriano.Antes, aos 18, o juiz Luiz Flávio de Oliveira não viu o empurrão de Tuto sobre Rodrigo Souto na área do Sertãozinho e deixou de marcar o pênalti. A vantagem santista no placar seria injusta, pois o time do técnico Lori Sandri foi melhor. Ricardo Lopes ganhou fácil a disputa com Carleto e sempre levou perigo ao gol de Fábio Costa, que fez uma bela defesa em chute longo de Júlio César.Aos 42, após um rápido contra-ataque, Ricardo Lopes cruzou, Tuto desviou de cabeça dentro da área e Hugo, livre, abriu o placar."Não podemos ficar dando chutão o tempo todo. Este é o jogo deles. Precisamos tocar mais a bola", disse o atacante Kléber Pereira, no intervalo.O segundo tempo foi muito melhor. Leão colocou Marcinho Guerreiro no lugar de Carleto e fortaleceu a marcação. No ataque o time foi mais agressivo e teve duas boas chances com Wesley e Moraes. Mas a equipe seguiu desatenta para conter os contra-ataques do Sertãozinho, que só não ampliou a vantagem graças a três boas defesas de Fábio Costa. Aos 21, Adriano salvou em cima da linha após finalização do atacante Marcos Denner.No fim do jogo, desesperado, o Santos deixou a tática de lado e ainda viu seu artilheiro Kléber Pereira ter de voltar para seu campo para ajudar na marcação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.