São Marcos vive noite de herói

Goleiro joga como nos bons tempos contra o Sport, brilha nos pênaltis com três defesas e classifica o Palmeiras

Bruno Deiro, O Estadao de S.Paulo

13 de maio de 2009 | 00h00

O torcedor do Palmeiras reviveu na noite de ontem, contra o Sport, uma emoção que não sentia havia dez anos. Em um jogo eletrizante, típico de Libertadores, voltou a ver São Marcos brilhar nos pênaltis para garantir a classificação. Ao defender três cobranças, após a derrota do time por 1 a 0 no tempo normal, o goleiro colocou o Palmeiras nas quartas de final e calou uma Ilha do Retiro lotada e incrédula diante de sua atuação. Agora, o Alviverde terá o Nacional, do Uruguai, pela frente.Com intervenções salvadoras, Marcos repetiu na noite de ontem as atuações inesquecíveis da conquista de 1999. "Não é todo dia que a gente faz uma partida dessa", disse o ídolo palmeirense. "Fiz um jogo excelente, mas o time foi bem também." O tira-teima de uma das principais rivalidades recentes do futebol nacional foi marcado pelo equilíbrio. O Sport devolveu no Recife o mesmo domínio que o Palmeiras teve no Palestra Itália. O resultado idêntico nas duas partidas refletiu a opção tática adotada pelas equipes. Com isso, a decisão nos pênaltis foi a forma mais justa de definir o classificado para a nova fase.O técnico Vanderlei Luxemburgo colocou em campo a mesma equipe que venceu o Colo Colo, no Chile. Desta vez, porém, o Palmeiras não conseguiu o mesmo domínio das ações e jogou recuado. O festejado ataque cedeu lugar à criticada defesa, que teve uma noite heroica, apesar de alguns equívocos.Desde o primeiro minuto, a Ilha do Retiro foi um caldeirão. Ao contrário da passividade no jogo da primeira fase, a torcida pernambucana voltou a fazer o estádio tremer, em uma festa impressionante. Embalado, o time do Sport foi para cima do Palmeiras, que custou a mostrar a mesma personalidade das outras vezes em que atuou fora de casa na competição. O Sport não foi com vantagem para o intervalo graças a duas grandes defesas de Marcos na etapa inicial, ambas em conclusões de Paulo Baier. Considerado um dos principais criadores da equipe, o meia do Sport acabou substituído no intervalo, dando lugar a Fumagalli. "Temos de tirar o time de trás", alertou o volante palmeirense Pierre, ao fim do primeiro tempo. "O Marcos está numa noite iluminada, mas não podemos confiar todas no goleiro." As chances desperdiçadas no primeiro tempo causaram apreensão na torcida pernambucana, que diminuiu a pressão na segunda etapa. Ao perceber isso, o Palmeiras conseguiu segurar mais a bola na frente, diminuindo o ímpeto ofensivo do Sport na volta do intervalo. A tranquilidade alviverde, contudo, não durou muito. Aos 20 minutos, Luxemburgo substituiu dois dos principais jogadores da equipe palmeirense: Diego Souza, responsável por reter a maioria das bolas recebidas no ataque, e o artilheiro Keirrison. Em seus lugares, colocou Willians e Ortigoza. Com as alterações, o Sport teve mais espaço e passou a sufocar.Mesmo sem criar chances claras de gol, o time pernambucano voltou a dominar as ações e ganhou na persistência.Aos 36, Luciano Henrique fez fila pela esquerda e bateu cruzado para Wilson empatar a partida. Nos minutos finais, o Palmeiras ainda teve Wendel expulso. Mas a sorte estava, mais uma vez, ao lado de São Marcos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.